Clube do Português

Língua portuguesa para produtores de conteúdo

Month: dezembro 2016 (page 2 of 3)

Crase antes de aquele e aquela

Pronome e preposição

Veja quando utilizar a crase antes de pronomes demonstrativos.

A crase é um tema muito recorrente na língua portuguesa e que gera muitas dúvidas.  Neste texto, vamos tratar de um caso especial, que é a crase com os pronomes aquele e aquela. Só lembrando que já tratamos de outros 6 casos em que usamos o acento grave. Dito isso, vamos lá!

O que é mesmo a crase?

Antes de avançarmos, vale lembar que crase é o encontro de letras iguais, no caso entre as letras “a”.

À = A + A

Àquele = A + Aquele

Como identificar se há ou não crase?

Continue reading

Compartilhe este texto:

Funções do ‘que’ (parte 2)

Mulher em dúvida

Entenda a função do QUE como conjunção

Este texto é a continuação de outro, no qual falei das funções do QUE como substantivo, interjeição, partícula expletiva, pronome, preposição e advérbio. Recomendo a leitura!

O QUE, dentre outras funções, pode ocupar o papel de conjunção coordenativa ou subordinativa. Nos dois casos, ele conectará duas ou mais orações. Vamos entender melhor!

Conjunção coordenativa

Aditiva

Pode ser substituída por E.

ex: Come que come e nunca está satisfeito.

VEJA: Come e come e nunca está satisfeito.

Alternativa

Indica uma ideia de opções.

ex: Que venha ou que não venha, o importante é que ele nos avise com antecedência.

Adversativa

Apresenta uma condição oposta a outra.

ex: Ele pode reclamar que não mudarei de opinião.

Explicativa

Nesse caso, o QUE substitui o PORQUE.

ex: Vocês precisam estudar, que é muito importante.

Conjunção subordinativa

Continue reading
Compartilhe este texto:

Funções do ‘que’ (parte 1)

menino negro

Veja algumas funções da palavra QUE

É impossível escrever sem utilizar a palavra “que”. Ela tem uma variedade de funções na língua portuguesa e, nesse texto, vou falar sobre elas. Vamos lá!

Substantivo

O que é substantivo quando está acompanhado de um artigo. Nesse caso, ele sempre será acentuado.

ex: Ela tem um quê de cozinheira.

Pronome adjetivo

Nessa situação, ele pode ser interrogativo, exclamativo ou indefinido.

ex¹: Que horas ela chega? (interrogativo).

ex²: Que beleza de cidade é Brasília. (exclamativo).

ex³: Que situação complicada estamos vivendo. (indefinido).

Leia mais sobre a classificação dos pronomes AQUI.

Pronome relativo

Já falamos muito do pronome relativo aqui no Clube do Português. O que exerce essa função, quando retoma um termo citado na oração anterior. Nesse sentido, ele introduz uma oração adjetiva restritiva ou explicativa.

ex¹: Esses são os jogadores que vão a campo hoje. (restritiva).

VEJA: Esses são os jogadores. Os jogadores vão a campo hoje.

ex²: A executiva, que estava licenciada, voltou ao trabalho para salvar a empresa. (explicativa).

VEJA: A executiva estava licenciada.

Preposição

O ocorre quando o QUE substitui o DE entre verbos.

ex: Tenho que sair amanhã bem cedo, porque tenho uma reunião.

VEJA: Tenho de sair amanhã bem cedo…

Continue reading

Compartilhe este texto:

Todas as funções do ‘se’ (parte 2)

Panda

Veja as funções do ‘se’ como conjunção e partícula expletiva.

Este texto é a continuação de outro, no qual expliquei as funções do ‘se’ como pronome. Vale a leitura!

Este post tem como objetivo descrever as funções do ‘se’ como conjunção e partícula expletiva.

Conjunção

Como conjunção subordinativa, o ‘se’ tem as seguintes classificações:

a) Conjunção causal

Ocorre quando podemos substitui por ‘visto que’, ‘porque’ ou ‘já que’. É utilizada quando a oração subordinada apresenta uma causa da oração principal.

ex: Se não chegou, tivemos que jantar sem você.

VEJA: Visto que não chegou, tivemos que jantar sem você.

b) Conjunção condicional

Apresenta uma condição da oração principal.

ex¹: Se você não guardar dinheiro, não conseguirá se aposentar.

ex²: Se chover, teremos que cancelar a festa de formatura. Se não, o planejamento deve ser seguido normalmente.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Todas as funções do ‘se’ (parte 1)

Veja as funções do pronome 'se'

Entenda as funções do ‘se’ como pronome.

A partícula ‘se’ é um elemento muito importante na língua portuguesa. Ela pode ocupar diferentes funções em um texto. Este post tem o objetivo de apresentar um guia completo sobre o ‘se’. Vamos lá.

Pronome

Como pronome, o ‘se’ pode ser:

a) Pronome pessoal reflexivo

Nessa situação, ele pode ser substituído pela expressão “a si mesmo”.

ex: Naquele churrasco, João cortou-se com a faca.

VEJA: Naquele churrasco, João cortou a si mesmo com a faca.

b) Pronome pessoal recíproco

É quando uma situação envolve duas pessoas que praticam a mesma ação um em relação ao outro.

ex¹: Para atravessar a rua com segurança, mãe e filha deram-se a mãos.

ex²: Romeu e Julieta se amavam profundamente.

c) Pronome apassivador

Também conhecido como partícula apassivadora, é utilizado para formar a voz passiva sintética. Nesse caso, o sujeito sofrerá a ação do verbo – o chamado sujeito paciente.

ex¹: Vendem-se carros usados.

VEJA: Carros são vendidos.

Atenção: O pronome apassivador só pode ser utilizado com verbos transitivos diretos.

Continue reading

Compartilhe este texto:

5 figuras de linguagem super úteis para seu texto

Figuras de linguagem são úteis para seu texto

As figuras de linguagem são comuns nos textos literários

Figuras de linguagem são construções que contribuem para dar mais expressividade à escrita. Elas são muito utilizadas nos textos literários, mas também podem ser muito úteis na hora de escrever uma redação. Neste post, separei 5 delas para você conhecer melhor.

PAUSA:Antes de continuar a leitura, vale a pena você dar uma olhada no artigo que produzimos sobre os 5 objetivos de um texto. Leia e volte aqui. Seu estudo ficará muito mais completo.

1) Metonímia

É a substituição da parte pelo todo. Ela ocorre, por exemplo, quando trocamos o autor pela obra.

ex¹: Li muito Machado de Assis nos tempos de colégio.

ex²: Nada melhor do que ler um Graciliano Ramos em um dia de chuva.

2) Perífrase

Trata-se da substituição de um nome por uma característica dele.

ex¹: A Cidade Maravilhosa (Rio de Janeiro) sediou os primeiros Jogos Olímpicos da história da América do Sul.

ex²: O terrorismo tem abalado o velho continente (Europa).

3) Eufemismo

Consiste em suavizar a linguagem, principalmente para evitar expressões desagradáveis.

ex¹: Podemos dizer que ele não era bem provido de beleza (era feio).

ex²: Infelizmente, ele não resistiu ao acidente e descansou (morreu).

Continue reading

Compartilhe este texto:

Dissertação: como estruturar?

Veja como estruturar uma dissertação.

Veja como estruturar uma dissertação.

Em provas de vestibulares e concursos, é muito comum que se exija que o candidato escreva uma dissertação.  Trata-se de uma redação argumentativa que defende um ponto de vista. Este texto vai detalhar as três partes que não podem faltar em uma boa dissertação.

1) Apresentação de um ponto de vista

O primeiro parágrafo deve dedicar-se a apresentar a questão em debate e explicitar os pontos de vista que serão desenvolvido. Ele pode conter já a introdução dos argumentos que serão detalhados no desenvolvimento.

ex: Uma questão que tem sido muito debatido nos últimos tempos é a reforma da previdência. Alguns defendem que o sistema não é deficitário e que não precisa de reformulação. Contudo, economistas defendem que uma mudança é urgente e que medidas, como a adoção de uma idade mínima para aposentadoria, são imprescindíveis.

Continue reading

Compartilhe este texto:

3 dicas para melhorar seu texto imediatamente

mulher no notebook

Dicas para você aplicar imediatamente.

Neste texto, darei três dicas práticas e imediatamente aplicáveis para você melhorar seu texto. Vamos lá!

1) Evite parágrafos com mais de cinco linhas

Em parágrafos muito longos, você corre o risco de ser prolixo e também de cometer mais erros. Além disso, esteticamente, é desagradável para o leitor ler um bloco enorme de texto. O ideal é um parágrafo para cada ideia ou argumento.

2) Evite começar frases com ‘mas’ e ‘e’

A conjunção mas e a preposição são utilizadas para conectar frases. Assim, não é recomendável que elas iniciem as orações. Isso não é um regra. Há sim casos nos quais é possível que esses dois elementos venham no início da sentença. Se você tiver concluído a frase anterior e tiver iniciando um novo argumento, você pode sim utilizar mas e logo de cara. Contudo, isso não é lá muito comum e, na norma culta, o ideal é que se evite esse artifício.

No caso do mas, você pode optar por outras conjunções como contudo, porém e todavia.

Continue reading

Compartilhe este texto:

O que é análise de discurso?

A análise do discurso busca entender as influências do autor e do meio social.

A análise do discurso busca entender as influências do autor e do meio social.

O autor Eduardo Manhães (2010, p.305) lembra que discurso significa “em curso”. Dessa forma, o pesquisador entende que toda mensagem é construída dentro de uma discursividade que não é estática.

A noção de discurso é uma consequência da premissa hermenêutica de que a interpretação do sentido deve levar em conta que a significação é construída no interior da fala de um determinado sujeito; quando um emissor tenta mostrar o mundo para um interlocutor, numa determinada situação, a partir de seu ponto de vista, movido por uma intenção (MANHÃES, 2010, p.305).

Para Manhães, o discurso é a apropriação da linguagem (código formal, abstrato e impessoal). Esse processo de uso da língua, no entanto, só pode acontecer por meio de um sujeito, que, por sua vez, está inserido em uma realidade social e em uma prática discursiva.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Concordância verbal – 5 casos complicados

5 casos que sempre causam dúvidas

5 casos que sempre causam dúvidas

Alguns casos de concordância verbal sempre geram dúvidas e acabam levando muitas pessoas ao erro. Por isso, neste texto, serão enumeradas 5 situações mais recorrentes.

Expressões partitivas

Nos casos em que o sujeito é formado por uma expressão partitiva (a maioria, parte de, metade de, a maior parte de) seguido de um substantivo ou pronome no plural, o verbo pode ficar tanto no plural quanto no singular.

ex¹: A maioria dos deputados são a favor da proposta.

ex²: A maioria dos deputados é a favor da proposta.

ex¹: Grande parte das pessoas é a favor da democracia.

ex²: Grande parte das pessoas são a favor da democracia.

Quais de nós/ quais de vós

Em casos em que o sujeito for um pronome interrogativo ou indefinido plural (quaisquer, quais, quantos, poucos, vários) seguido da expressão de nós, o verbo pode concordar com o pronome indefinido ou com o pronome pessoal.

ex¹: Quais de nós desconfiam/desconfiávamos daquele empregado.

ex²: Quaisquer de nós poderiam/poderíamos ter cometido o mesmo erro.

O que é um pronome indefinido?

Continue reading

Compartilhe este texto:
Older posts Newer posts