Saiba agora mesmo como construir uma argumentação de sucesso

Uma argumentação é um discurso que visa convencer ou incentivar alguém a agir de determinada forma ou a adotar determinada visão de mundo. O sucesso dessa tarefa depende de três elementos essenciais: o orador, o auditório e o discurso. Neste artigo, vamos explicar cada um desses pontos. Vamos lá!

1) Orador

O sucesso de uma argumentação está diretamente relacionado ao nível de confiabilidade que o orador é capaz de inspirar na plateia. A credibilidade tem como base três componentes, como explica José Luiz Fiorin:

a) Caráter –  características psíquicas reveladas pelo enunciador;

b) Corpo – as características físicas do apresentador;

c) Tom – dimensão vocal do enunciador no discurso.

Podemos resumir esses elementos da seguinte maneira: a credibilidade do orador está alicerçada na sua história, na sua aparência e na forma como ele se expressa para os interlocutores.

2) Auditório

Uma argumentação bem sucedida é aquela que se conecta com as demandas e paixões da plateia a qual se dirige. Por exemplo, um orador que for falar sobre churrasco em uma convenção vegetariana tem pouquíssimas chances de ser bem recebido, porque seu discurso bate de frente com as crenças dos interlocutores.

Outro ponto a se observar é o contexto temporal. Por exemplo, um orador que dissesse que as mulheres não devem trabalhar seria mais bem recepcionado no passado do que agora. Isso ocorre, porque as crenças médias da sociedade se alteram no decorrer do tempo.

Como bem destaca Fiorin, “bem argumentar implica conhecer o que move ou comove o auditório a que o orador se destina”.

PAUSA: Você notou na frase anterior a regência do verbo IMPLICAR? Muita gente escorrega nessa palavra! Por isso, vale dar uma olhada no artigo que fizemos sobre esse tema.

3) Discurso

O discurso é o principal instrumento da argumentação e, como bem explica Fiorin, ele tem como objetivo “agir sobre o outro”. Isso quer dizer que ele não visa apenas expor ideias, mas sim fazer com que o interlocutor aceite o que é transmitido, creia no que é dito e faça aquilo que o orador propõe.

Para estruturar um bom discurso, o orador lança mão de dois elementos da linguagem: a polissemia e as relações interdiscursivas. Vamos entender melhor esses pontos.

a) Polissemia

Na língua portuguesa, há diversas palavras que têm mais de uma significado (como você pode conferir na seção “palavras parecidas” aqui do Clube do Português).  Assim, o orador pode trabalhar com essa pluralidade de sentidos para criar ambiguidades.

Por exemplo, alguns comentaristas esportivos brincam que há jogadores que são bancários. A palavra não é utilizada com o sentido de “empregado de instituição financeira”, mas sim com o de “atleta que está sempre no banco de reserva”. Essa ambiguidade é utilizada para criar um tom cômico e gerar simpatia nos interlocutores.

b) Relações interdiscursivas

Como explica Fiorin, “há uma série de termos ou expressões cujo aparecimento resulta da relação polêmica entre os discursos“. Vale lembrar que todo discurso se constrói em oposição a outro discurso. Nesse embate, o orador pode lançar mão de relações interdiscursivas para atacar não o discurso alheio, mas sim a imagem que se cria dele pelo uso de determinadas palavras.

Por exemplo, os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) dizem que ocupam propriedades. Já seus opositores dizem que eles invadem terras. Essa oposição entre os verbos ocupar e invadir é fruto de construções sociais que nascem das relações entre discursos.

Por um lado, o MST diz que o termo adequado é “ocupar”, porque ninguém está fazendo uso produtivo da terra. Por outro, os opositores defendem que a palavra correta é “invadir”, pois eles estão entrando sem autorização em uma propriedade privada.

O exemplo mostra como um orador pode lançar mão desse artifício para convencer a plateia a aderir determinada visão de mundo.

Como criar um bom argumento?

Agora que você já compreendeu quais os elementos essenciais para o sucesso de uma argumentação, é importante aprender estratégias para criar argumentos convincentes. Por isso, recomendamos que você leia o artigo que fizemos para explicar três formatos de argumentação: a) por ilustração; b) por analogia; c) por exemplo. Ele vai complementar bastante seu estudo!

Já que estamos falando de discursos, vale muito a pena você conferir o vídeo que fizemos sobre a pronúncia correta da palavra GRATUITO:

***

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua (link para um nova página do site) .

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo” (link para um novo site).

 

 

Compartilhe este texto: