Clube do Português

Língua portuguesa para produtores de conteúdo

Category: Variedades (page 1 of 2)

Design de informação: entenda o que é e como ele pode melhorar seu conteúdo

Vivemos atualmente a era da informação.  Nesse sentido, para fazer seu conteúdo se destacar, é necessário não só que seu texto esteja bem escrito, mas que seja apresentado da forma mais eficiente possível. É nesse contexto que surge o conceito de design de informação.

Informação com valor

De acordo com os pesquisadores Wildbur e Burke, o design de informação é  “a seleção , organização e apresentação da informação para uma dada audiência”.  Trata-se de um campo do design gráfico que parte do princípio de que precismos não só criar mais informações, mas também pensar em formas de apresentação que permitam ao público entender a mensagem de forma eficaz e eficiente. O objetivo é tornar o conteúdo mais acessível.

PAUSA: Quer entender melhor a diferença entre eficácia e eficiência? Então, vale ler o texto que fizemos sobre o tema.

Continue reading

Compartilhe este texto:

RUIM: qual a pronúncia correta?

 

 

 

ruim

Qual a pronúncia correta?

Muita gente pronuncia a palavra ruim como um monossílabo tônico, com ênfase na letra U. Será que essa é forma correta? Vejamos!

Hiato

Um hiato ocorre quando vogais se separam na divisão silábica.

ex¹: Jo-e-lho;

ex²: Ru-im.

Isso mesmo! Ruim não é um monossílabo tônico. É uma palavra de duas sílabas – uma dissílaba. Em palavras que contêm hiato, a sílaba tônica fica, via de regra, na segunda vogal. Logo, a pronúncia correta é ruIM (“ruím”).

Veja mais no vídeo:

PS: Há um pequeno erro de digitação em uma das legendas. A grafia correta é DISSÍLABA.

***

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo”   – http://onovomercado.com.br/cursos/portugues

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
– http://clubedoportugues.com.br/clube/

Compartilhe este texto:

Português escrito x Português falado – duas línguas diferentes

escrita e fala

Falar não exige conhecimento da gramática, mas escrever, sim.

Muita gente considera que o português falado e o português escrito são línguas distintas. Eu concordo plenamente. E digo mais – a gramática normativa foi feita para o segundo e não para o primeiro.

Verdade que existe um campo do estudo da língua portuguesa que se dedica à pronúncia das palavras (prosódia). Porém, na minha opinião, a fala só deve ser corrigida se o erro produzir ruído na comunicação. Falar é uma construção em tempo real, logo é difícil você enquadrar em uma estrutura de normas.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Qual a melhor forma de corrigir erros de português de alguém?

Feedback

Dicas para corrigir erros de português

Existe um ditado que diz deve-se elogiar em público e corrigir em privado. Essa é exatamente a melhor formar de lidar com erros de português de outras pessoas. Vejamos!

Se alguém em uma reunião se equivoca na pronúncia de alguma palavra, corrigi-la na frente de todos só vai gerar constrangimento e chateação. Essa ação vai ser encarada mais como exibicionismo do que como uma preocupação legítima com o desenvolvimento do outro.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Números romanos de 1 a 1.000

Entenda os algarismos romanos

Confira abaixo a lista completa dos algarismos romanos de 1 a 1.000. Para entender melhor como utilizar esses números, leia este outro texto AQUI.

1 a 100

1: I

2: II

3: III

4: IV

5: V

Continue reading

Compartilhe este texto:

Números romanos – 5 regras simples para entender

Os números romanos foram o principal sistema de algarismos da Europa por um longo tempo. Eles são formados por uma combinação de letras. Por exemplo, o símbolo XVIII representa o número 18. Para aprender a ler esses sinais, basta ficar atento a cinco regras básicas.

1) Valores

Os valores dos números romanos são:

I – 1 (um);

V – 5 (cinco);

X -10 (dez);

L – 50 (cinquenta);

C – 100 (cem);

D – 500 (quinhentos);

M – 1.000 (mil).

2)  Um símbolo só pode ser repetido três vezes

Veja:

CORRETO: IV = quatro

INCORRETO: IIII = quatro

Continue reading

Compartilhe este texto:

O que é carta de preposição?

Carta de preposição (baixe um modelo abaixo) é o documento que alguém utiliza para nomear um preposto. Em outras palavras, uma pessoa que vai comparecer e representar outra na Justiça. Ela é muito comum no âmbito trabalhista, quando um empregador nomeia um de seus empregados para representá-lo.

Continue reading

Compartilhe este texto:

O que é análise de discurso?

A análise do discurso busca entender as influências do autor e do meio social.

A análise do discurso busca entender as influências do autor e do meio social.

O autor Eduardo Manhães (2010, p.305) lembra que discurso significa “em curso”. Dessa forma, o pesquisador entende que toda mensagem é construída dentro de uma discursividade que não é estática.

A noção de discurso é uma consequência da premissa hermenêutica de que a interpretação do sentido deve levar em conta que a significação é construída no interior da fala de um determinado sujeito; quando um emissor tenta mostrar o mundo para um interlocutor, numa determinada situação, a partir de seu ponto de vista, movido por uma intenção (MANHÃES, 2010, p.305).

Para Manhães, o discurso é a apropriação da linguagem (código formal, abstrato e impessoal). Esse processo de uso da língua, no entanto, só pode acontecer por meio de um sujeito, que, por sua vez, está inserido em uma realidade social e em uma prática discursiva.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Ensino e aprendizagem do português para surdos

A jornalista Emanuella Carmago entrevistou a equipe do canal “É Libras” para falar sobre acessibilidade e os principais desafios dos surdos na aprendizagem da língua portuguesa.

É libras blog

Segundo levantamento realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2015, 1,1% da população apresenta algum tipo de deficiência auditiva. Dentro do dado aparentemente pequeno, existe um universo de desafios para inclusão de surdos no país. O aprendizado da Língua Portuguesa pode ser listado como um dos principais entraves na busca por acessibilidade.

Aprender o idioma materno já é desafiador para pessoas “ouvintes”. Para cada palavra que aprendemos, sons são adicionados à nossa biblioteca auditiva e, assim, vamos construindo nossa comunicação oral. Agora tente imaginar como é aprender uma língua sem ter essas referências fonéticas. Ficou difícil de entender como seria?

Continue reading

Compartilhe este texto:

Conselhos para quem quer escrever melhor

Três dicas para escrever

Três dicas para escrever

Se eu pudesse dar 3 conselhos para quem quer escrever bem, seriam:

1) Não use as palavras aleatoriamente. Cada vocábulo tem um significado específico. Não existe sinônimo perfeito. Então, pense bem na hora de escrever para ver se a palavra que você escolheu é mesmo a mais adequada. Por exemplo, amar e adorar são sinônimas, mas têm sentidos distintos e carga semântica diferente.

2) Seja econômico. Nada é pior do que ler um texto de um autor prolixo. Se você pode dizer algo com duas palavras, não use três.

3) Acredite no seu potencial, desenvolva seu próprio estilo e preze pela qualidade. Escrever corretamente não é um capricho. É uma ferramenta de potencialização da credibilidade do seu texto.

Repetir palavras é bom ou ruim?

O senso comum diz que repetir palavras empobrece texto. Isso é uma meia verdade, que se aplica quando esse artifício é utilizado por conta de pobreza vocabular, ou seja, porque a pessoa não consegue encontrar sinônimos para determinada palavra.

Contudo, há casos em que a repetição é intencional e tem como objetivo gerar um efeito estilístico. É a chamada anáfora. Por exemplo, a música cantada por Elza Soares diz: “a carne mais barata do mercado é a carne negra”. A repetição da palavra “carne” tem um objetivo semântico de associar a expressão “carne negra” ao racismo.

O segredo, como eu disse, é não utilizar as palavras aleatoriamente. Se você escolher de forma criteriosa os vocábulos, o leitor entenderá que a repetição não foi uma falha vocabular, mas sim uma estratégia argumentativa.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtubehttps://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidas — http://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:
Older posts