Clube do Português

Língua portuguesa para produtores de conteúdo

Category: Variedades (page 2 of 2)

Esperança para o Museu da Língua Portuguesa

MPL_022

No dia 21 de dezembro de 2015, um incêndio destruiu parte do Museu da Língua Portuguesa (MLP), na cidade de São Paulo.  Até hoje, o local está fechado.  A localização, na reformada estação da Luz e com fácil acesso de metrô, garantia um dos maiores fluxos de visitantes de todos os museus do país. Em seus primeiros anos, mais de 1,6 milhões de pessoas passaram pelos três andares. O MLP tinha um conceito inovador, que misturava clássicos da literatura, registros históricos e muitos artefatos tecnológicos e interativos, que atraiam para o local várias grupos de estudantes.

Ontem, uma grande notícia encheu de esperança os amantes da língua portuguesa. O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, em visita ao Brasil por conta da Olimpíada do Rio de Janeiro, anunciou que será parceiro na recuperação do museu, junto com a Fundação Roberto Marinho.

Como bem destacou a jornalista  Sabine Righetti,  os espaços informais de educação, como os museus, têm papel fundamental na construção e preservação da herança cultural de uma nação. Ela contou que pesquisa realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação  apontou que só 4% da população nacional diz ter visitado espaços como museus, planetários, zoológicos ou jardins botânicos. Esse dado está bem distante da média dos países desenvolvidos, que é de 20%.

Então, torçamos para que a parceria com o governo luso acelere o resgate do MLP para que mais pessoas possam usufruir da riqueza que esse espaço abriga.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtubehttps://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidashttp://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:

Utilize a língua portuguesa para construir pontes, não para destruí-las

Use a língua portuguesa para criar laços saudáveis

Use a língua portuguesa para criar laços saudáveis

Falar e escrever são atos que, a medida que dominamos, realizamos quase de forma automatiza. Com o tempo, paramos de refletir sobre o significado das palavras e aderimos a um modo de enunciar socialmente aceito entre as pessoas com quem convivemos.

Como bem destaca o gramático Evanildo Bechara, “embora o ato linguístico, por sua natureza, seja individual, está vinculado indissoluvelmente a outro indivíduo pela natureza finalística da linguagem, que é sempre um falar com os outros, consoante a dimensão alteridade”. Em outras palavras,  se utilizamos as palavras para nos comunicar, a escolha de quais termos utilizar impacta a comunicação com esse outro indivíduo.

O problema é que, com o tempo,  essa análise do outro e de como as palavras que eu utilizo o afetam vai sendo deixada de lado em detrimento de um comportamento mais egocêntrico e colérico. Nós vamos perdendo a empatia com nosso interlocutor. Quando isso ocorre, corremos o risco de utilizar termos que vão, consciente ou inconscientemente, ferir a outra pessoa. Não falo aqui de exercitar autocensura, mas sim de realizar o ato básico e solidário de se colocar no lugar do outro.

Aqui vale destacar o trabalho do psicólogo americano Marshall Rosemberg sobre os princípios da comunicação não violenta:

  • Observar de maneira descritiva e não julgadora – procure descrever atos sem apelar para extremismos ou juízos definitivos de valor;
  • Distinguir sentimentos de opiniões –  em vez de rebater um argumento agressivo com outro, busque explicar para a outra pessoa como aquelas palavras tem fazem sentir;
  • Distinguir necessidades, desejos e sentimentos de opiniões e julgamentos –  comunique-se tendo como base algo que te afeta e explicando como isso ocorre. Tentar justificar atitudes com opiniões e julgamentos destrói a empatia e gera isolamento;
  • Fazer pedidos claros e específicos – seja claro no que você deseja da outra pessoa. Dessa forma, é possível sair do campo das expectativas e passar para a campo da realidade. Não utilize ameaças ou chantagens emocionais para conseguir o que quer, pois desgasta a relação com a outra pessoa.

Esses quatro princípios ajudam a nos balizar, quando fazemos a seleção vocabular para tratar sobre determinado assunto com determinado indivíduo ou grupo de pessoas. Tendo em mente que nosso objetivo principal com a linguagem é nos conectar e não nos apartar, é possível evitar vocábulos que tenham uma carga semântica que vá ferir outra pessoa ou que passe uma impressão errada sobre o que queremos realmente dizer.

Como bem destaca  Luiz Antônio Marcuschi, “a língua é um sistema ligado a práticas sócio-históricas e não funciona no vácuo”. E explica ainda que é “com ela [que] guiamos sentidos e construímos mundos, mas não por força de uma virtude imanente à própria língua como tal e sim pelo esforço dos falantes”.

Toda palavra possui um peso sócio-histórico, que deve ser levado em consideração na hora de dialogar com as pessoas. A língua portuguesa é um instrumento que pode gerar autonomia ou dominação. Cabe a nós escolher qual caminho queremos seguir.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtubehttps://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidashttp://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:

Ensino de português como instrumento de autonomia

autonomia

O verdadeiro sentido da aprendizagem da língua portuguesa é a expansão da autonomia do indivíduo

Muitas pessoas acham que o estudo da língua portuguesa é uma chatice e consideram que entender as regras gramaticais é um mero formalismo desinteressante. Essa situação se deve, em parte, ao fato de que grande parte do nosso sistema educacional ser focado não na aprendizagem em si, mas sim na instrução. Os alunos são estimulados a decorar regras fora de contexto, que serão esquecidas pouco tempo depois.

Nesse contexto, perde-se a dimensão que a aprendizagem e entendimento pleno das regras da língua tem de dar autonomia ao indivíduo.  Como bem destaca o parceiro Henrique Bastos, autonomia é a capacidade de se relacionar de igual para igual com qualquer outra pessoa em toda a rede social. 

Existem no país , segundo o IBGE, 13 milhões de pessoas analfabetas absolutas e outras 40 milhões analfabetas funcionais. Uma pessoa em condição de analfabetismo funcional consegue identificar letras e números, mas não é capaz de compreender frases de complexidade média.

Diante desse cenário, não é possível estabelecer relações autônomas. Como uma pessoa que não é capaz de compreender o que lê conseguirá negociar cláusulas de um contrato, por exemplo? Quem não é autônomo não é livre para conduzir seu próprio destino. Isso impacta não só a pessoa em si, mas o país como um todo. Como bem observou Amartya Sen “o desenvolvimento consiste na eliminação de privações de liberdade que limitam as escolhas e as oportunidades das pessoas de exercer ponderadamente sua posição de agente”.

Por isso, o ensino da língua portuguesa é antes de qualquer coisa um instrumento de empoderamento e de expansão da autonomia. Porém, é preciso investir em métodos de aprendizagem descentralizados, que sejam aplicáveis à realidade e que confiram autonomia para as pessoas investirem em seu autodesenvolvimento. O modelo de conhecimento bancário, no qual o professor se coloca como um cardeal, em um nível de hierárquico mais elevado em relação aos estudantes, só irá aprofundar o problema.

Essa mudança não será conduzida por poucas pessoas, mas por uma rede de atores conectada e trabalhando em prol de um propósito único, que é o de ampliar a autonomia e a liberdade das pessoas. Relações desiguais, além de insustentáveis a longo prazo, são altamente destrutivas. Então, se hoje você está desestimulado a estudar português, busque enxergar os benefícios que isso trará para sua caminhada pela vida.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtubehttps://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidashttp://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:

9 países que falam português

Portugues-pelo-mundo

A língua portuguesa aparece em 4 continentes:

1 – América do Sul;

2 – Europa;

3 – África;

4 – Ásia.

O português é a primeira ou segunda língua em 9 nações:

1 – Brasil;

2 – Portugal;

3 –  Angola;

4 – Moçambique;

5 – Guiné-Bissau

6 – Guinés Equatorial;

7 – Cabo Verde;

8 – São Tomé e Príncipe;

9 – Timor Leste.

A língua portuguesa ainda é falada em comunidades específicas, principalmente por pessoas mais velhas, em outros países:

1Zanzibar (na Tanzânia,  África)

2 – Macau (China, Ásia)

3 – Goa, Diu, Damão (Índia, Ásia)

4 – Málaca (Malásia, Ásia).

Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Em 1996,  Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe fundaram uma organização internacional chamada Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).  Em 2002, com a independência, o Timor Leste passou a integrar o grupo. A sede da CPLP fica em Lisboa, capital de Portugal.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtube –https://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidas – http://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:

2 documentários imperdíveis sobre a língua portuguesa

língua-portuguesa

O português é sexto idioma mais falado no mundo. Mais de 3% da população do planeta terra se comunica por meio da língua portuguesa. Se consideramos somente as línguas nativas, o nosso idioma ganha um posição no ranking das mais faladas.

Para celebrar a beleza do português, selecionei aqui dois ótimos documentários que falam sobre a língua.

1 – Vidas em português

O documentário conta com depoimentos de pessoas de diversos países, que mostram a riqueza e a variedade de sotaques e variações que compõem a língua portuguesa. Aparecem na produção figuras marcantes como José Saramago, Mia Couto, João Ubaldo Ribeiro entre outros.

2 – Português – a língua do Brasil

Nessa produção, 16 acadêmicos, membros da Academia Brasileira de Letras, debatem o atual estado da língua portuguesa, focando nas transformações que ocorrem com o decorrer do tempo e também refletindo sobre o ensino do português.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Curta nossa página no Facebookhttps://www.facebook.com/portuguesdicas/

Envie suas dúvidas – http://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Compartilhe este texto:
Newer posts