Por Pedro Valadares

Mês: abril 2021(Page 1 of 2)

Encontros vocálicos – ditongo, tritongo e hiato

Os encontros vocálicos definem-se como uma sequência de fonemas (sons) vocálicos numa palavra. Exemplos:

  • muito (sequência vocálica –ui)
  • frequente (sequência vocálica –uen)
  • saguão (sequência vocálica –uão)
  • rainha (sequência vocálica –ai)

Esses encontros são representados por vogais e/ou semivogais, as quais são fonemas considerados vocálicos por não haver, durante suas emissões, nenhum obstáculo – língua, lábios, dentes – que se oponha à corrente de ar vinda dos pulmões.

Vejamos a diferença entre esse fonemas:

Vogal

Vogal é o fonema vocálico que se ouve mais distintamente, pois sua pronúncia é forte. As vogais funcionam como base da sílaba, ou seja, não existe sílaba sem vogal. Mais importante ainda: só existe uma única vogal por sílaba. Esses fonemas são representados na escrita pelas letras A, E, I, O, U e Y.

Exemplos:

  • A: casa (ca-sa)
  • E:escola (es-co-la)
  • I: amigo (a-mi-go)
  • O:olho (o-lho)
  • U:untar (un-tar)
  • Y: hobby (hob-by)
Continue reading

Conselho x Concelho – qual a diferença?

Conselho ou concelho: qual a forma correta? As duas palavras existem na língua portuguesa. Neste artigo, vamos explicar o significado de cada uma. Vejamos!

Conselho

Conselho, escrito com “s”, é um substantivo masculino abstrato que significa opinião ou aviso. A palavra vem do latim consilium. Vejamos alguns exemplos de uso desse termo:

  • Os filhos devem ouvir os conselhos do pais.
  • O mestre deu vários conselhos para o aprendiz.

Conselho também pode designar um corpo de pessoas. Por exemplo, Conselho Nacional de Saúde, Conselho Nacional de Justiça, conselho de lordes, conselho de classe, etc.

Continue reading

Dígrafo – o que é e como identificar?

O dígrafo define-se como uma sequência de duas letras que representam um só fonema, ou seja, um só som. É o que ocorre na palavra chave, por exemplo, em que a sequência ch é um dígrafo, pois essas duas letras representam um único som, o que nos leva a pronunciar a palavra como se tivesse x: xávi.

Por isso, toda palavra com dígrafo terá o número de letras maior que o número de fonemas. Veja a seguir:

  • chá (3 letras e 2 fonemas)
  • campo (5 letras e 4 fonemas)
  • malha (5 letras e 4 fonemas)
  • queda (5 letras e 4 fonemas)
  • arrastão (8 letras e 7 fonemas)
Continue reading

À beça x A beça – tem crase?

A forma correta é à beça, com crase. Neste artigo, vamos explicar por que essa expressão recebe o acento grave. Vejamos!

Núcleo feminino

Na língua portuguesa, todas as locuções com núcleo feminino recebem crase. É esse o caso da locução adverbial à beça.

Essa expressão indica algo que ocorre em grande quantidade ou com grande intensidade.

Outros exemplos de locuções com núcleo feminino que recebem a acento grave são: à toa, à tona, à capela, à caneta, à vista.

Continue reading

Verbos de ligação – conceito, funções e exemplos

Verbos de ligação são aqueles que ligam o sujeito da oração ao seu predicativo e têm a função de indicar estado ou mudança de estado. Por vezes, também são chamados de verbos copulativos, relacionais ou não nocionais.

Veja alguns exemplos que expressam as principais funções do verbo de ligação:

– Márcia ficou feliz após a aprovação.

O verbo ficar indica uma mudança de estado em relação ao estado original, ou seja, Márcia não estava feliz, Márcia ficou feliz.

– Márcia é uma pessoa feliz.

Agora, o verbo ser indica a constatação de um estado permanente do sujeito.

O oposto do verbo de ligação é o verbo nocional, também chamado de significativo, o qual expressa ação ou fenômeno da natureza normalmente.

Os verbos nocionais podem ser intransitivos, transitivos diretos, transitivos indiretos e transitivos diretos e indiretos ao mesmo tempo.

Continue reading

A favor x À favor – tem crase?

A forma correta é a favor, sem crase. Essa locução é sinônima de “em benefício de” ou “favorável a”. Neste artigo, vamos explicar por que a expressão não recebe acento grave. Vejamos!

Núcleo masculino

A favor é uma locução adjetiva formada pela combinação da preposição “a” com o substantivo “favor”. Como o núcleo da expressão é um termo masculino, não devemos utilizar a crase.

Em contrapartida, vale destacar que todas as locuções com núcleo feminino recebem acento grave. É o caso, por exemplo, de: à toa, à tona, à capela, à caneta, entre outras.

Continue reading

De novo x Denovo: junto ou separado?

A forma correta é de novo, separado. Essa expressão é sinônima do advérbio novamente. A palavra denovo não existe na língua portuguesa e, por isso, não deve ser utilizada.

Neste artigo, vamos analisar quando e como utilizar essa expressão. Vejamos!

Locução adverbial

A expressão de novo é escrita separada por ser uma locução adverbial. Nesse sentido, ela é formada pela combinação da preposição “de” com o adjetivo “novo”.

Essa locução expressa o modo ou a circunstância em que determinada ação ocorre. Ela traz a ideia de repetição ou de regularidade.

Exemplos com de novo

  • Para entender bem uma matéria, é preciso estudá-la de novo.
  • De novo, você se comportou bem. Por isso, vai ser premiado.
  • Entrei de novo na casa para ver se não tinha esquecido nada.
Continue reading

Encontro consonantal – o que é, como identificar e exemplos

Um encontro consonantal é a sequência de dois ou mais fonemas consonantais numa palavra. Exemplos:

creme (cr)

– regra (gr)

– ritmo ™

tcheco (tch)

psicologia (ps)

Classificação

Podemos classificar os encontros consonantais em perfeitos e imperfeitos.

1) Encontro consonantal perfeito: também chamado de grupo consonantal, é inseparável, pois os fonemas consonantais pertencem a uma mesma sílaba.

Os mais comuns são os que têm como segunda consoante as letras L ou R:

bloco (blo-co), clima (cli-ma), flores (flo-res), glória (gló-ria), duplo (du-plo), atlas (a-tlas)

branco (bran-co), lacrar (la-crar), sofrer (so-frer), grande (gran-de), prato (pra-to), letra (le-tra)

No entanto, há outros encontros perfeitos não muito incidentes nas palavras, mas que também merecem atenção. São eles: gn, mn, pn, ps, pt, tm, cz.

gnomo (gno-mo), mnemônico (mne-mô-ni-co), pneu (pneu), psicótico (psi-có-ti-co), ptialina (pti-a-li-na), czar (czar).

2) Encontro consonantal imperfeito: também chamado de encontro consonantal disjunto,é separável, pois cada fonema consonantal pertence a uma sílaba.

– absoluto (ab-so-lu-to), convião (con-vic-ção), pacto (pac-to), advento (ad-ven-to), nafta (naf-ta), ritmo (rit-mo), apto (ap-to).

Continue reading

Conectivos para redação: tipos e exemplos

Neste artigo, você vai encontrar uma lista de articuladores textuais. Esses conectivos têm a função de relacionar as diferentes partes de um texto e de garantir a coesão da escrita.

Segundo as professores Ingedore Koch e Vanda Maria Elias, os articuladores se dividem em cinco grandes grupos. Vejamos!

Articuladores de ordenação no tempo e no espaço

O objetivo desse grupo de articuladores é sinalizar relações espaciais ou temporais, indicando e organizando a sequência de episódios e referências em um texto.

ex: antes, depois, em seguida, defronte de, além, do lado direito, do lado esquerdo, a primeira vez que, a última vez que, muito tempo depois, logo depois, etc.

Continue reading

Quiser x Quizer – qual a forma correta?

A forma correta é quiser. Trata-se da conjugação do verbo querer na 1ª e na 3ª pessoa do futuro do subjuntivo. A palavra quizer não existe na língua portuguesa.

Vejamos a conjugação do verbo querer nesse tempo e nesse modo:

  • (Se/Quando) eu quiser;
  • (Se/Quando) tu quiseres;
  • (Se/Quando) ele quiser;
  • (Se/Quando) nós quisermos;
  • (Se/Quando) vós quiserdes;
  • (Se/Quando) eles quiserem.

Exemplos com quiser

  • Se Deus quiser, eu vou conseguir alcançar meus objetivos.
  • Se eu quiser uma vida melhor, tenho que trabalhar duro.
  • Eu irei à festa se minha esposa quiser.
  • Quando você quiser vir me visitar, basta me ligar.
  • Eu vou comprar a casa quando eu quiser.
Continue reading
« Older posts