Alomorfia é uma variação sofrida por algum morfema de uma palavra a fim de que ela seja melhor pronunciada.

O morfema é estudado pela morfologia, parte da gramática que trata da estrutura das palavras, o processo de formação pelo qual elas passam e as classes gramaticais em que se dividem.

A estrutura das palavras é composta por um radical e outras partes que se ligam a ele. Tanto o radical quanto essas outras partes são chamadas de morfema

O morfema é a menor parte significativa de uma palavra e pode ser dividido em: radical, desinências (nominal e verbal), vogal temática e afixos (prefixos e sufixos). Além disso, também pode decompor-se em fonemas, que são as unidades mínimas que não têm significado gramatical ou semântico.

Tipos de alomorfia

Acompanhe os exemplos de alomorfia em cada tipo de morfema:

1. Alomorfia no radical:

O verbo fazer sofre alomorfia no radical faz-. Perceba como ele sofre alterações nas seguintes conjugações e particípio:

faço, fiz, fez, fizera, farei, fizesse, feito (particípio).

2. Alomorfia no prefixo:

O prefixo grego a- por vezes muda para an-, ou seja, são duas formas para um mesmo sentido: “privação, negação”. Dessa forma, temos:

ateu, analfabeto, anestesia, anarquia, acéfalo, anônimo…

3. Alomorfia no sufixo:

O sufixo -ão, que indica aumentativo, por vezes muda para -zão:

– lobão, caldeirão, amarelão, bonzão, funilzão

O sufixo -inho, que indica diminutivo, por vezes muda para -zinho:

– copinho, beicinho, amiguinho, computadorzinho, cãozinho, indiozinho

4. Alomorfia na vogal temática:

a) Vogal temática nominal:

Normalmente, os nomes terminados em -l tem plural em -es, sendo o -e a vogal temática. Exemplo: cônsul > cônsules.

Por outro lado, a palavra sal, no plural, tem a vogal temática alomórfica, pois de -e muda para -i:

– sal > sais

b) Vogal temática verbal:

O verbo amar sofre alomorfia na 1ª e na 3ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo. Em todos os demais tempos, a vogal temática não muda, é sempre -a.

– eu amei, tu amaste, ele amou, nós amamos, vós amastes, eles amaram.

5. Alomorfia na desinência:

a) Desinência nominal:

As desinências -o e -a indicam o gênero masculino e feminino respectivamente. Contudo, em avó e avô o traço distintivo de gênero se dá com “ó” e “ô”, podendo ser consideradas desinências alomórficas.

b) Desinência verbal:

O verbo cantar sofre a seguinte alomorfia na desinência verbal:

Pretérito imperfeito do indicativo:

– eu cantava, tu cantavas, ele cantava, nós cantávamos, vós cantáveis, eles cantavam (a desinência va muda para ve na 2ª pessoa do plural)