Por Pedro Valadares

Autor: admin(Page 1 of 46)

3 maneiras de usar o Google Sites na sua aula de português

A ferramenta mostra a logo do Google Sites. No artigo, mostramos como utilizar esse recurso nos aulas de português.
Veja como usar a ferramenta nas aulas de Língua Portuguesa

O Google Sites é uma ferramenta gratuita que permite criar websites colaborativos. Neste artigo, vamos mostrar como usar esse recurso para tornar suas aulas de português mais interativas.

Para isso, listamos três sugestões de atividades que você pode aplicar com seus estudantes.

1) Livro colaborativo

Uma forma de estimular a escrita é usar o Google Sites para criar um livro colaborativo. Cada estudante ficará responsável por um capítulo da história.

Para isso, pode ser criada uma página para cada parte e cada aluno deve continuar a narrativa de onde o colega parou.

Além de estimular o trabalho em equipe, essa atividade ajudará a desenvolver o raciocínio analítico e contextual e a criatividade.

Continue reading

Qual o plural de certidão?

Certidões ou certidãos: qual a forma correta? Neste artigo, vamos acabar com essa dúvida e mostrar a origem da palavra.

Plural

Na Língua Portuguesa, há a tendência de fazermos o plural das palavras terminadas em -ão com -ões. Por exemplo, sermão/sermões, sessão/sessões, caminhão/caminhões.

Esse processo é exatamente o que acontece com o plural de certidão, que é certidões.

Continue reading

Adjunto adnominal – o que é, como identificar e exemplos

O adjunto adnominal é um termo acessório da oração que especifica, explica ou determina um substantivo. Essa função sintática pode ser exercida por um adjetivo, por uma locução adjetiva, por um artigo, por um numeral ou por um pronome.

Neste artigo, vamos detalhar cada uma dessas situações. Também vamos mostrar como diferenciar o adjunto adnominal do complemento nominal, do adjunto adverbial e do predicativo do objeto. Vejamos!

Exemplos de adjunto adnominal representado por adjetivo

  • Eu comprei uma casa antiga.
  • Mário é um rapaz animado.
  • Nessa longa estrada da vida, vou andando e não posso parar.
Continue reading

Salário mínimo x Salário-mínimo: tem hífen?

As duas formas estão corretas. Tanto salário mínimo quanto salário-mínimo são expressões que existem na Língua Portuguesa, mas elas possuem significados diferentes. Neste artigo, vamos entender quando utilizar cada uma delas. Vejamos!

Salário mínimo

Nesta expressão, temos o encontro do substantivo “salário” com o adjetivo “mínimo”. Ela indica o menor vencimento que pode ser pago, oficialmente, a um trabalhador.

ex: O governo anunciou o novo valor do salário mínimo.

Continue reading

À toa, a toa ou atoa: qual a forma correta?

À toa, a toa e atoa: as três expressões estão corretas e existem na Língua Portuguesa. Porém, elas possuem significados e funções diferentes, mas relacionados.

Neste artigo, vamos entender o sentido e quando usar cada um dos termos. Vejamos!

1) À toa

Trata-se de um locução adverbial ou adjetiva que significa desocupado ou a reboque.

ex1: Ele passava o dia todo à toa e não estudava.

ex2: Ele é um à toa. Não faz nada o dia inteiro.

É interessante notar que, antes do Acordo Ortográfico, a locução adjetiva era escrita com hífen (à-toa). Contudo, após a implantação da reforma, o sinal foi abolido e a grafia passou a ser a mesma da locução adverbial: à toa.

Continue reading

Adjetivo: conceito, classificações e exemplos

Adjetivo é o termo que atribui características aos substantivos. Dessa forma, do ponto de vista semântico, ele funciona como um modificador de sentido.

Neste artigo, vamos fazer uma análise completa desta classe gramatical. Você vai conhecer as classificações, os processos de formação e as funções sintáticas dos adjetivos. Vamos lá!

Adjetivos explicativos e restritivos

De maneira geral, os adjetivos podem ser classificados em dois grupos: restritivos e explicativos.

Os restritivos são aqueles que indicam uma característica que não é própria do substantivo.

Ex: Fruta podre.

Perceba que “podre” não é um atributo inerente de “fruta”. Em outras palavras, nem todas as frutas são podres. Por isso, nesse caso, o adjetivo indica um conjunto específico de frutas, ou seja, ele restringe o universo do substantivo.

Os adjetivos explicativos são aqueles que indicam uma qualidade própria do ser ou do objeto.

Ex: Fogo quente.

Note que o fogo sempre será quente. Então, nessa situação, o adjetivo apenas evidencia um traço geral do substantivo.

Continue reading

Onomatopeia – o que é e exemplos

A onomatopeia é uma figura de linguagem que consiste em utilizar palavras que reproduzem ou sugerem sons específicos. Esse recurso estilístico também é chamado de mimologia.

Neste artigo, vamos explicar melhor o conceito e apresentar exemplos de onomatopeias. Vejamos!

Origem do nome e modos de utilização

A onomatopeia é uma figura de som, ou seja, ela funciona na camada sonora da língua. O termo tem origem grega e significa “criar um nome”.

Esse recurso é muito utilizado na linguagem oral, em especial nas situações mais coloquiais. Na escrita, essa figura aparece muito nas histórias em quadrinho e nas charges.

Vejamos um caso prático de discurso onomatopeico na tirinha do Maurício de Sousa abaixo:

A tirinha mostra o personagem Cebolinha batendo um martelo em uma pedra. Ao lado, aparece a onomatopeia "tec, tec, tec".
Foto de divulgação retirada do site G1

O termo “tec” é um exemplo de onomatopeia. Ele reproduz o barulho da ferramenta ao bater na pedra.

Continue reading

Como usar o imperativo para reforçar sua autoridade

Se o seu verbo for fraco e a sua sintaxe não tiver firmeza, suas frases despencarão. Esse ensinamento do escritor William Zinsser é certeiro.

Um verbo no modo e no tempo corretos molda a forma como as pessoas te enxergam como profissional. Sua firmeza e confiança no próprio trabalho transparecem na sua escrita.

E o modo verbal que melhor expressa esses sentimentos é o imperativo. Para mostrar isso na prática, vou analisar um story da Gabi Pazos .

Imperativo – o que é?

O imperativo é um dos três modos verbais (junto com o indicativo e o subjuntivo). Ele é usado para fazer uma exortação, dar uma ordem ou oferecer uma sugestão.

De acordo com o gramático Napoleão Mendes de Almeida, esse modo verbal estabelece uma relação de império, ou seja, de uma pessoa que conduz outra.

Por isso, ele é ideal para expressar a autoridade de um profissional em determinado campo do saber.

Continue reading

Repetição e retórica: 15 figuras de linguagem para você usar

No campo da estilística, existem diversas formas de usar a repetição de palavras ou frases para melhorar sua argumentação. Neste artigo, vamos mostrar 15 figuras de linguagem desse tipo para você aprimorar seus textos.

1) Epizeuxe ou paliologia

A epizeuxe é uma figura de linguagem que, segundo o dicionário Michaelis, consiste na repetição da mesma palavra sem o uso da conjunção.

O objetivo é amplificar um argumento, exprimir compaixão ou fazer uma exortação.

Ex: Corra, corra, corra, que a aula já vai começar!

2) Epanáfora

Epanáfora é a repetição de uma mesma palavra no início de todas frases ou versos.

ex: A escrita é filha da leitura. A escrita é irmã da experiência. A escrita é gêmea da personalidade.

Continue reading

Clube da Luta: 3 estratégias narrativas para você usar no seu texto

Agilidade, agressividade e ironia: o livro Clube da Luta é um retrato de uma geração. Nele o autor, Chuck Palahniuk, usa uma série de estratégias narrativas que casam perfeitamente com o espírito da época digital que estamos vivendo.

Neste texto, separei três delas para você aplicar ao seu conteúdo.

1) PARATAXE

É uma figura de linguagem que consiste em usar várias frases curtas justapostas sem nenhum conectivo ligando uma a outra.

Esse recurso ajuda a dar mais dinâmica e ritmo ao texto. Veja um trecho abaixo:

“Troca feita. O filme continua. Ninguém na plateia tem ideia do que aconteceu” (p.30).

Continue reading
« Older posts