O Barroco é o estilo artístico que predominou entre o final do século XVI e o início do século XVIII em toda literatura, pintura, arquitetura, escultura e música. Teve início na Itália e aos poucos foi difundido para o restante da Europa e para a América Latina.

As obras barrocas surgiram refletindo o pessimismo, o conflito e o desequilíbrio entre a razão e a emoção do homem europeu. Todas essas características nasceram da crise de valores renascentistas, ocasionada pelas lutas religiosas (especialmente a Reforma Protestante e a Contrarreforma) e pela crise econômica vivida em consequência da falência do comércio europeu com o Oriente.

Características da arte barroca

– Assimetria;

– Contraste de cores claras e escuras;

– Formas volumosas e sem contorno;

– Predomínio de linhas inclinadas;

– Drama por meio de figuras em movimento;

– Perspectiva sem nitidez.

Principais artistas europeus: Caravaggio, Bernini, Francesco Borromini, Andrea Pozzo.

Características do Barroco na literatura

– Pessimismo;

– Desequilíbrio entre a razão e a emoção;

– Dualidade (contradição);

– Fuga à realidade;

– Descrição indireta (alusão);

– Predomínio de figuras de linguagem como: metáfora, antítese, paradoxo, hipérbole e hipérbato;

– Divide-se em dois estilos:

a) Cultismo: jogo de palavras por meio do uso exagerado das figuras de linguagem e da linguagem culta, além de um descritivismo rebuscado. Principal autor: o poeta espanhol Luís de Gôngora.

b) Conceptismo: jogo de ideias, com raciocínios engenhosos e paradoxais, além da utilização de uma retórica aprimorada. Principal autor: o espanhol D. Francisco de Quevedo.

Outros autores europeus importantes: Cervantes, Lope de Vega, Calderón, Tirso de Molina, Gracián e Mateo Alemán.

Por causa de todas essas características, o Barroco chegou a ser considerado uma degenerescência do Classicismo renascentista, movimento artístico anterior que buscava a perfeição formal das obras e expressava o racionalismo.

Barroco no Brasil

O Barroco iniciou-se, no Brasil, com a publicação do poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira, em 1601. Essa obra é composta de 94 estrofes e foi inspirada no modelo de poesia de Camões.

Além dele, destacam-se na literatura:

Gregório de Matos Guerra: de origem baiana, estudou Direito em Coimbra, Portugal. Escreveu poesia religiosa e lírica, atendeu tanto ao estilo cultista quanto ao conceptista e ficou conhecido como Boca do Inferno, pois era extremamente satírico.

Criticava o brasileiro, o português, o clero e os costumes da sociedade baiana do século XVII.

Seus mais de 700 poemas foram publicados pela Academia Brasileira de Letras, entre 1923 e 1933, sendo divididos em seis volumes.

Padre Antônio Vieira: nascido em Lisboa, viveu tanto em Portugal quanto no Brasil e contribuiu para a literatura dos dois países. Suas principais obras são:

Cartas;

Sermões, sendo o Sermão da Sexagésima o mais famoso;

Profecias, cujos títulos são: História do futuro, Esperanças de Portugal, Apologia das coisas profetizadas, Defesa perante o Tribunal do Santo Ofício e Clavis prophetarum.

Na escultura e arquitetura, o destaque é o artista mineiro Aleijadinho. Entre suas principais obras, estão as esculturas dos 12 Profetas, no santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas (MG), e a Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto.

Decadência e fim do Barroco no Brasil

O Barroco estendeu-se por todo o século XVII e início do XVIII em terras brasileiras. Em 1724, devido ao movimento academicista, temos a fundação da Academia Brasílica dos Esquecidos, em Salvador – BA, e com ela a decadência dos valores barrocos e o início do movimento árcade.

Mas o Barroco de fato chega ao fim em 1768, com a fundação da Arcádia Ultramarina e a publicação do livro Obras, de Cláudio Manuel da Costa.

*

Gostou do artigo? Então, leia também: