Clube do Português

Língua portuguesa para produtores de conteúdo

Categoria: Análise sintática (page 1 of 2)

Apesar dela ou apesar de ela – qual a forma correta?

Quando falamos, tendemos a juntar a preposição "de" com os pronomes "ela" ou "ele". Entretanto, segundo as regras gramaticais, o termo que funciona como sujeito nunca deve ser preposicionado. Ex: Apesar de ela não ter estudado, foi bem na prova. 🔸Observe que o pronome "ela" funciona como sujeito do verbo "ter", por isso não pode ser fundido com a preposição.🔸 Vejamos outros exemplos: Ex1: Já passou da hora de ela se formar. Ex2: Júlia chegou antes de ele sair. ⚠ATENÇÃO! Esses casos nada tem a ver com a fusão da preposição "de" com os artigos "o(s)" e "a(s)". Ex: O cabelo dela é muito bonito. 🔸Aqui o pronome possessivo "dela" tem função de adjunto adnominal.🔸 #DescriçãoDaImagem A imagem mostra uma mulher sorrindo. Ela veste um blazer roxo e usa um arco de flores na cabeça. #português #gramática #educação #aprendizado #estudo #trabalho #empreendedorismo #concurso #concursopúblico #escola #faculdade #vestibular #enem #escrita #língua #linguagem #clubedoportuguês #boanoite

A post shared by Clube do Português (@clubedoportugues) on

A forma correta é apesar dela ou apesar de ela? Neste artigo vamos tirar essa dúvida e explicar qual a forma correta. Vamos lá!

Sujeito

Quando falamos, tendemos a juntar a preposição “de” com os pronomes “ela” ou “ele”. Entretanto, segundo as regras gramaticais, o termo que funciona como sujeito nunca deve ser preposicionado.

Ex: Apesar de ela não ter estudado, foi bem na prova.

Observe que o pronome “ela” funciona como sujeito do verbo “ter”, por isso não pode ser fundido com a preposição.

Vejamos outros exemplos:

Ex1: Já passou da hora de ela se formar.

Ex2: Júlia chegou antes de ele sair.

Preposição

ATENÇÃO! Esses casos nada tem a ver com a fusão da preposição “de” com os artigos “o(s)” e “a(s)”.

Ex: O cabelo dela é muito bonito.

Aqui o pronome possessivo “dela” tem função de adjunto adnominal.

Assista ao vídeo sobre a diferença entre orações restritivas e explicativas:

***

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua (link para um nova página do site) .

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo” (link para um novo site).

O que é vocativo?

Vocativo é um termo importante para a construção de textos. Ele tem um papel de ênfase e de chamamento. Além disso, saber identificá-lo em uma oração é fundamental para utilizar bem a vírgula. Neste artigo, vamos explicar o que é e como utilizar. Vejamos!

PAUSA: Nós já preparamos aqui um texto sobre a diferença entre o APOSTO e o VOCATIVO. Leia ele primeiro e depois volte para este artigo. Com certeza, seu entendimento do tema ficará bem mais completo.

Continue reading

Orações coordenadas x Orações subordinadas – qual a diferença?

Coordenadas x subordinadas

Entenda como diferenciar os dois tipos de oração

Este texto tem como objetivo explicar as diferenças entre as orações coordenadas e as subordinadas. O fato linguístico que liga esses dois conceitos é o período composto. Subordinação e coordenação estão ligadas à relação entre duas ou mais orações. Vejamos!

Subordinação

A subordinação ocorre quando temos uma situação de dependência entre duas orações. Nesse caso, uma das orações é a principal e a outra se subordina a ela. A oração subordinada não possui  sentido completo, ou seja, ela não é sintaticamente independente.

ex¹: Assim que a mãe chegou, a filha começou o dever de casa.

Perceba que a oração “assim que a mãe chegou” não possui sentido isoladamente. Ela complementa a oração “a filha começou o dever de casa”, que é a principal. Dessa forma, podemos dizer que se trata de uma oração subordinada. No caso, é uma oração subordinada adverbial de tempo. Em outras palavras, ela exerce o papel de adjunto adverbial.

Leia também: Oração subordinada adjetiva restritiva e explicativa – como diferenciar?

Continue reading

Função sintática das orações adjetivas

Entenda a função sintática das orações adjetivas

Função sintática

Pergunta do leitor: Olá! Minha dúvida é a seguinte: Na frase “é o mesmo problema que temos com os outros meios de comunicação”, que função sintática exerce a oração “que temos com os outros meio de comunicação”?

Resposta

Vamos analisar o período com calma.

É o mesmo problema que temos com os outros meios de comunicação.

Primeiramente, vemos que são duas orações:

  1. É o mesmo problema;
  2. que temos com os outros meios de comunicação.

Elas estão conectadas pelo pronome relativo ‘que’.

Descomplicando o pronome relativo

O pronome relativo é um instrumento de coesão textual, que é utilizado para evitar a repetição e palavras. Assim, ele retoma um vocábulo da oração anterior. Ele também introduz uma oração adjetiva restrita (sem vírgula) ou explicativa (com vírgula).

Continue reading

Apesar da ou apesar de a?

Apesar

Para solucionar a questão que dá título a este texto, é necessário fazer a análise sintática de cada sentenças.

Um ponto de atenção: não existe sujeito preposicionado.  O que acompanha o sujeito é  um artigo ou um numeral.

Ex¹: Apesar de a partida estar marcada para domingo, os jogadores se apresentarão na sexta-feira.

Continue reading

Análise sintática na prática!

Análise sintática na prática

O objetivo deste texto é mostrar o passo a passo de uma análise sintática. Vamos lá!

PERÍODO: As redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

1º PASSO: Identificar o número de orações

Para fazer isso, é necessário encontrar os verbos.

As redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Identificamos dois verbos. Ou melhor, uma locução verbal (poderão fazer) e um verbo (condiciona).

2º PASSO: Analisar cada oração separadamente

Continue reading

Oração sem sujeito x Sujeito indeterminado

oração sem sujeito x Sujeito indeterminado

Uma dúvida recorrente é como diferenciar uma oração sem sujeito de uma com sujeito indeterminado. Este texto vai desfazer essa confusão.

A oração sem sujeito ocorre nos seguintes casos:

a) com verbos ou expressões que denotam fenômenos da natureza

ex: Fez frio na semana passada.

b) com verbo haver no sentido de existir

ex: Na casa, havia seis quartos.

c) Com os verbos fazer, haver e ir quando indicam tempo decorrido.

ex: Faz três anos que não visito Maceió.

d) com verbo ser na indicação de tempo em geral.

ex: Era primavera, quando os ipês floresceram.

A oração com sujeito indeterminado possui sim sujeito, porém não é possível ou não há o desejo de determiná-lo. O caso mais recorrente é com o uso da 3ª pessoa do plural.

Ex: Mudaram a mesa de lugar.

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Veja mais no nosso canal do Youtubehttps://goo.gl/VhBR7o

Envie suas dúvidas — https://clubedoportugues.com.br/tire-suas-duvidas-2

Veja mais:

Oração subordinada adjetiva restritiva e explicativa – como diferenciar?

Restritiva x Explicativa

Como diferenciar as orações subordinadas adjetivas

Um dúvida comum em muita gente que estuda a língua portuguesa é como diferenciar as orações subordinadas adjetivas restritivas das explicativas. Antes de sanar essa dúvida, vamos explicar primeiro o que são orações subordinadas adjetivas.

Pronome relativo

Esse tipo de oração é caracterizado pela presença de um pronome relativo, que vem sempre após um substantivo e tem a função de retomar um termo anteriormente mencionado.

Exemplos de pronomes relativos: que, o qual, onde, cujo, no qual.

Continue reading

Conjunções adversativas x concessivas – como identificar qual é qual?

Conjunções

Cada uma tem uma função específica.

As conjunções adversativas e concessivas são usadas com o mesmo propósito: ligar enunciados com orientação argumentativa contrária. Contudo, elas possuem funções diferentes e, por isso, é fundamental saber diferenciá-las para entender qual delas utilizar em cada contexto.

Conjunção adversativa

Nas adversativas, o argumento mais forte é aquele que acompanha a conjunção. Veja:

ex: Ele é inteligente, mas é preguiçoso.

Nesse caso, o fato de ser preguiçoso é mais relevante do que o de ser inteligente. Como bem destacam os professores Francisco Savioli e José Fiorin, a estratégia discursiva é a de indicar uma conclusão e, imediatamente, apresentar um argumento para anulá-la.

A conjunção adversativa é usada para coordenação de orações e introduz uma oração coordenada sindética adversativa. Por isso, a ordem das orações não pode ser invertida. Veja:

ex: Ele é inteligente, mas é preguiçoso. CORRETO

ex²: Mas é preguiçoso, ele é inteligente. INCORRETO

Exemplos de conjunções adversativas: mas, contudo, entretanto, todavia.

Continue reading

Macete de menino

Existe um macete muito simples para descobrir a função do pronome oblíquo, aquele que, na sentença, exerce a função de complemento verbal, ou seja, objeto direto ou objeto indireto.

O menino

Basta substituí-lo pela expressão “o menino” e, então, analisar a função sintática.

Ex.: A mamãe maltratava-o muito.

Substituindo: A mãe maltratava o menino muito.

Quem maltrata, maltrata alguém, ou seja, “maltratar” é verbo transitivo direto, pede um objeto direto.

Conclusão, o pronome oblíquo “o” tem função de objeto direto!

Fácil, né?

Gostou do texto? Então, vale a pena assistir ao vídeo que fizemos sobre a pronúncia correta da palavra RUBRICA:

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
http://eepurl.com/b5exUr

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo” (link para um nova página do site) .

« Older posts