Clube do Português

Língua portuguesa para produtores de conteúdo

Category: Redação (page 1 of 6)

É correto falar “maiores informações”?

Dizer "maiores informações" não é correto. O melhor é usar "mais informações"
Dizer “maiores informações” não é correto. O melhor é usar “mais informações”

Dica rápida para você não cometer mais este erro. É muito comum esbarrarmos com e-mails e informativos que terminam com a expressão: “para maiores informações, entre em contato”. Neste artigo, vamos explicar por que dizer isso está errado.

Tamanho

Informação não tem tamanho. Então, não pode ser maior, nem menor. Logo, o correto é: “para mais informações, entre em contato”, pois a ideia que se deseja passar é que a pessoa poderá encontrar informações adicionais ou complementares em outro espaço.

Maiores detalhes

A regra também se aplica à expressão maiores detalhes. Não é possível medir o tamanho de um detalhe. Por isso, não temos como compará-los usando esse tipo de escala. Dessa forma, o certo é dizer mais detalhes.

ex: Para mais detalhes, consulte nosso site.

Gostou do texto? Então, vale a pena conferir o vídeo que fizemos sobre se o correto é mais que ou mais do que:

***

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua
– https://clubedoportugues.com.br/clube/

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo”   – http://onovomercado.com.br/cursos/portugues

Compartilhe este texto:

Figuras de linguagem – método prático para usá-las nos seus textos

Este aprendizado mudou radicalmente minha forma de escrever. Se você ler até o final, com certeza, vai mudar a sua também.

Tem coisas incríveis que aprendemos e não fazemos ideia de como colocar em prática. Isso acontecia comigo com as figuras de linguagem.

Sempre achei o tema fascinante, mas não entendia como inserir no texto. Me parecia algo que só poetas eram capazes de fazer.

Até que descobri um macete prático para resolver esse problema. Hoje vou mostrar pra você como é fácil.

O método

Primeiro, você deve escrever o conteúdo mais cru, sem se preocupar com as figuras de linguagem. Veja o exemplo abaixo:

Ex: A leitura constante melhora a escrita.

A partir daqui, acrescentamos algumas figuras de linguagem. Vamos começar pela apóstrofe (um chamamento ao leitor no início ou no meio do texto).

Ex: Atenção, produtores de conteúdo! A leitura constante melhora a escrita.

Agora, vamos colocar uma metáfora para reforçar o argumento.

Ex: Atenção, produtores de conteúdo! A leitura constante melhora a escrita. Cada livro é uma janela que se abre na sua mente.

Já tá com outra cara, né? Mas cabe ainda uma prosopopeia (atribuição de ações humanas a objetos inanimados).

Ex: Atenção, produtores de conteúdo! A leitura constante melhora a escrita. Cada livro é uma janela que se abre na sua mente. As histórias que as páginas contam enriquecem seu repertório.

Pronto! Agora temos um parágrafo com um argumento central apoiado por três figuras de linguagem. É esse o papel da estilística.

Pratique

Esse método de gramática aplicada ao texto é o que eu uso no meu curso e também nos meus textos.

É super prático. É como montar uma árvore de Natal. Você vai escolhendo os enfeites que a deixam mais bonita.

Que tal praticar? Montamos uma playlist completa sobre várias figuras de linguagem. Escolha uma e tente inserir no seu texto.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Sintagma e paradigma: os mecanismos ocultos por trás dos grandes textos

Imagem retirada do site: helioborgesblog

Existe um mecanismo que está por trás de todo texto. Aqueles que o entendem e o dominam conseguem produzir conteúdos de alta qualidade. Quando aprendi esse tema, dei um salto na minha compreensão de como melhorar minha escrita.

Por isso, quero compartilhar esse conhecimento com vocês (o post é um pouco longo, mas você vai entender algo que muito pouca gente conhece se chegar até o final).

A língua portuguesa se divide em dois grandes eixos: o da seleção (também chamado de paradigma) e o da combinação (também conhecido como sintagma).

Esses conceitos foram cunhados pelo linguista  suíço Ferdinand de SaussureNeste artigo, vamos falar um pouco sobre cada um deles.

Paradigma

O primeiro está ligado à escolha das palavras em um texto (também é conhecido com eixo vertical). Ele está relacionado com a semântica. Um ponto importante aqui é que duas palavras não podem ocupar o mesmo lugar ao mesmo tempo. Também é conhecido com eixo vertical.

Então, a seleção vocabular busca o termo que melhor expresse sua ideia. Olhe, por exemplo, as expressões abaixo:

– presidente eleito;

– mandatário eleito.

As duas estão no mesmo campo semântico, mas têm nuances que impactam a mensagem que vamos passar. “Presidente” expressa uma ideia mais ligada a institucionalidade. Já “mandatário” traz uma relação hierárquica (aquele que recebe um mandato de alguém).

A escolha dos termos deve ser feita de forma estratégica para passar a mensagem precisa ao leitor.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Entenda por que estudar português mudou minha vida

Estudar a língua portuguesa é como ir à academia: quase todo mundo enxerga os benefícios de fazê-lo, mas poucos de fato o fazem.

Um dos motivos, na minha opinião, é a ilusão do grande salto. É achar que, do dia para noite, tudo se tornará claro e compreensível.

A construção do conhecimento é sempre incremental. É um tijolinho por dia. No longo prazo, quem tiver disciplina pode erguer um castelo.

Muitos, porém, deixarão obras inacabadas pelo caminho por falta de persistência e consistência. Neste artigo, vou contar para vocês como estudar português mudou minha trajetória profissional e me fez ver um mundo de oportunidades.

Quase reprovado

Pode parecer papo motivacional, mas digo por experiência própria. No meu boletim do último ano do ensino médio, a nota de português foi 5.4. Por pouco, não fiquei de recuperação.

Isso mudou um pouco quando entrei na faculdade, mas ainda de forma bastante incipiente.  Para você ter uma ideia, nas aulas em que tínhamos que produzir um jornal, eu me voluntariei para fazer outras funções (diagramar, imprimir, coordenar a equipe), porque achava minha escrita fraca.

Tinha medo de cometer erros gramaticais básicos e passar vergonha com o resto da turma.

Me colocando à prova

A grande virada veio quando comecei uma pós em revisão de texto. Decidi fazer um tratamento de choque. Entrar numa turma de especialistas em uma das minhas fraquezas mais críticas.

Lá tinha gente com anos de mercado, que conhecia em detalhes os maiores gramáticos e dominava a norma culta com naturalidade. O mais legal é que esses mestres me receberam super-bem e me ajudaram nesse processo de crescimento.

Continue reading

Compartilhe este texto:

7 estratégias infalíveis para evitar a repetição de palavras

Conheça sete formas eficientes para fugir da repetição de palavras.

A repetição de palavras é um problema que empobrece seu texto.  Além de tornar a escrita desinteressante, também indica pobreza vocabular do redator. Por isso, neste artigo, você vai conhecer sete técnicas para não repetir vocábulos. Vamos lá!

1) Sinonímia

Essa é uma das mais conhecidas ferramentas para combater a duplicação dos termos. Trata-se do processo de substituir determinada palavra por um sinônimo.

ex: O policial saiu correndo atrás do bandido e um menino decidiu acompanhar o policial.

Veja agora usando a sinonímia:

ex: O policial saiu correndo atrás do bandido e um menino decidiu acompanhar o oficial.

Um outro recurso seria substituir o substantivo “policial” por um pronome. Essa estratégia, porém, criaria uma ambiguidade. Veja:

ex: O policial saiu correndo atrás do bandido e um menino decidiu acompanhá-lo.

Note que não fica claro se o pronome se refere ao policial ou ao bandido.

DICA: recomendo muito o dicionário de sinônimos – uma ferramenta muito útil para redatores e jornalistas.

2) Hiperonímia

Nós já falamos aqui sobre os hipônimos e hiperônimos. A hiperonímia consiste em usar palavras que possuem um significado mais amplo do o da substituída.

ex: Maria tomou um remédio que não lhe fez muito bem. Parece que a medicação estava vencida.

Note que “remédio” é um tipo de medicação. Este termo abrange mais itens do que aquele.

3) Hiponímia

A hiponímia é o contrário da hiperonímia. Ela consiste em trocar um termo mais abrangente por outro mais específico.

ex: Rui estava muito nervoso e precisou de um remédio. Depois de tomar o calmante, porém, ele se acalmou.

Perceba que o elemento “calmante” é apenas um dos que compõe a classe dos remédios.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Personalidade x Pessoalidade – entenda como fazer seu texto se destacar na multidão

Personalidade e pessoalidade são dois elementos que podem diferenciar seu conteúdo dos outros milhares que existem na internet. Neste artigo, vamos detalhar melhor como aplicar esses dois conceitos. Vamos lá!

Pessoalidade

Sabe aquelas ligações que recebemos de operadoras de celular ou de TV a cabo que, quando atendemos, ouvimos uma gravação? Isso é o oposto da pessoalidade. Essas empresas usam uma mensagem genérica, que é transmitida de forma massificada, sem levar em conta as necessidades ou a especificidades de cada pessoa.

A pessoalidade, então, tem a ver com a humanização da interação. É você conseguir conversar com uma pessoa real, quando precisa resolver algum problema com determinada corporação. Por exemplo, quando você recorre a um chat no site de alguma empresa, você prefere ser atendido por um ser humano ou por um robô que retransmite mensagens pré-formatadas?

Outro ponto da pessoalidade está relacionado com a empatia com o cliente. Às vezes, recebemos ligações de call centers e do outro lado da linha está uma pessoa. Contudo, ela tem um discurso decorado e não estabelece um vínculo real com você. Ela está, então, fazendo o papel do robô.

Personalidade

A personalidade tem a ver com um diferencial. É a construção de uma voz própria. Todo dia nos deparamos com um mar de conteúdo que poderia ter sido escrito por qualquer pessoa, tamanha é a falta de personalidade. Porém, por vezes, deparamo-nos com textos, vídeos e áudios que nos prendem por sua originalidade e pelo estilo do autor.

Os grandes influenciadores da rede possuem uma personalidade bem definida, que os diferencia dos demais. Há também casos de empresas que ousaram e souberam sair da mesmice. É o caso, por exemplo, do pinguim do PontoFrio, que já se tornou uma celebridade nas redes sociais digitais, por seu discurso descontraído e pelas grandes sacadas que utiliza para promover os produtos.

Outra ação interessante e com muita personalidade foi feita pelo Bob`s para provocar o MacDonalds que estava anunciando seu novo milkshake de ovomaltine.

Em suma, a atuação na internet, principalmente nas redes sociais digitais, deve se pautar pela horizontalidade, pela empatia e pela disposição para interagir. Além disso, ela deve fugir do basicão para poder se destacar na infinidade de conteúdos produzidos todos os dias.

Gostou do texto? Então, vale a pena conferir o vídeo que fizemos sobre como os erros de português podem prejudicar sua carreira:

***

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua (link para um nova página do site) .

Matricule-se agora no nosso curso “Português para produtores de conteúdo” (link para um novo site).

 

Compartilhe este texto:

Uma única – essa expressão é um pleonasmo vicioso?

A expressão uma única configura um pleonasmo vicioso? Neste artigo, vamos tirar essa dúvida e explicar se é ou não possível utilizar essa combinação de palavras. Vamos lá!

Numeral x Artigo

O termo uma pode ter função tanto de numeral, quanto de artigo indefinido. Vejamos:

ex1: Ele tinha uma casa no campo e outra na praia.

Perceba que aqui uma funciona com numeral, pois indica quantidade. Para se certificar, basta trocar por outro número: “ele tinha duas casas no campo e outra na praia”.

ex2: Quando entrei em casa, ouvi uma barulheira estranha na cozinha.

Nesse exemplo, uma age como artigo indefinido. Trata-se de uma barulheira que não consigo precisar.

LEIA MAIS: Há crase antes de artigo indefinido?

Continue reading

Compartilhe este texto:

Coerência: conheça os 3 elementos indispensáveis

Veja como garantir totalmente a coerência do seu texto

Um texto coerente é aquele que apresenta uma relação de sentido clara entre as partes. Para garantir a coerência, você deve prestar atenção em três elementos-chaves. Vejamos!

1) Unidade semântica

Um texto deve tratar, do início ao fim, de um só tema. Isso é chamado de unidade semântica.

Por exemplo, se uma redação tem como foco tratar do tópico “causas da pobreza no Brasil” e no meio do caminho ela passa a abordar temas ligados ao aumento da violência, há uma quebra da unidade semântica e o texto se torna incoerente.

VEJA TAMBÉM: 5 passos para criar uma dissertação argumentativa.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Dissertação argumentativa: 5 passos essenciais

A dissertação é um tipo de discurso que tem como objetivo discorrer sobre um tema. Ela pode ser expositiva ou argumentativa. Neste artigo, vamos tratar da dissertação argumentativa e falar de 5 passos essenciais para estruturá-la. Vamos lá!

1) Assunto

É o campo mais geral de uma dissertação. Por exemplo, uma dissertação pode discorrer sobre a situação da mulher na sociedade brasileira. Trata-se de um primeiro direcionamento, ainda bastante genérico.

2) Tema

O tema é uma delimitação do assunto. Ele é sempre restrito e trata de algo que a maioria das pessoas sabe. No nosso exemplo, o tema poderia ser a violência contra a mulher. Perceba que ele já faz um recorte sobre a situação da mulher na sociedade brasileira.

Continue reading

Compartilhe este texto:

Argumentação perfeita: entenda os 3 elementos essenciais

Saiba agora mesmo como construir uma argumentação de sucesso

Uma argumentação é um discurso que visa convencer ou incentivar alguém a agir de determinada forma ou a adotar determinada visão de mundo. O sucesso dessa tarefa depende de três elementos essenciais: o orador, o auditório e o discurso. Neste artigo, vamos explicar cada um desses pontos. Vamos lá!

1) Orador

O sucesso de uma argumentação está diretamente relacionado ao nível de confiabilidade que o orador é capaz de inspirar na plateia. A credibilidade tem como base três componentes, como explica José Luiz Fiorin:

a) Caráter –  características psíquicas reveladas pelo enunciador;

b) Corpo – as características físicas do apresentador;

c) Tom – dimensão vocal do enunciador no discurso.

Podemos resumir esses elementos da seguinte maneira: a credibilidade do orador está alicerçada na sua história, na sua aparência e na forma como ele se expressa para os interlocutores.

Continue reading

Compartilhe este texto:
Older posts