Você já se perguntou se o uso da crase com nome próprio é correto? A resposta é: depende. Neste artigo, vamos explicar o porquê. Acompanhe a leitura!

Crase

Primeiro, vale relembrar o conceito de crase. Basicamente, trata-se da união de duas vogais iguais, assinalada pelo acento grave (`).

  • a + a = à.

Geralmente, a crase é empregada em três situações:

  1. encontro da preposição “a” com pronomes demonstrativos (aquilo, aquela, aquele, aquelas, aquelas);
  2. encontro dos artigos definidos “a” ou “as” com a preposição “a”;
  3. encontro da preposição “a” com o pronome demonstrativo “a”.

Crase com nome próprio 

Agora, vamos à explicação sobre crase com nomes próprios masculinos e femininos.

Crase com nomes próprios masculinos

Como vimos acima, a crase é caracterizada  pela fusão de duas vogais idênticas e, por esse motivo, só é empregada, em regra, diante de palavras femininas. Com isso, o acento grave não é usado com nomes próprios masculinos, salvo raras exceções. 

Por exemplo, a crase pode surgir antes de um nome próprio masculino quando a expressão “à moda de” estiver implícita na frase.

  • A música foi cantada à Roberto Carlos (A música foi cantada à moda de Roberto Carlos).
  • Você bateu uma falta à Pelé. (Você bateu uma falta à moda de Pelé).
  • Vamos comer picanha à Oswaldo Aranha no almoço (Vamos comer picanha à moda Oswaldo Aranha).

Crase com nomes próprios femininos 

Já o uso da crase com nomes próprios femininos é facultativo. Em outras palavras, o acento grave pode ou não ser utilizado quando a expressão ou o verbo diante do nome exigir a preposição “a”.

Isso porque usamos o artigo definido “a” antes de alguns nomes próprios femininos, mas não antes de outros. E, normalmente, o que define esse uso é a familiaridade com a pessoa em pauta.

Além disso, também há uma questão regional. No Sul e no Sudeste, por exemplo, o uso do artigo antes de nomes próprios é habitual. 

Em resumo, funciona da seguinte forma: caso você use o artigo definido “a” antes de nomes próprios femininos, pode empregar a crase quando a situação pedir.

  • Confessei à Carla que contei seu segredo à Maria.
  • Confessei a Carla que contei seu segredo a Maria.

Regras gerais

Por fim, existem regras válidas para os dois gêneros. São elas:

  • a crase não é empregada quando o nome de uma pessoa é mencionado formalmente;
  • a crase é empregada se, mesmo formalmente, o nome de uma pessoa for mencionado de forma carinhosa ou afetiva.

*

Gostou deste texto? Aprofunde ainda mais seus conhecimentos com nosso guia completo da crase.