Na imagem, está escrito "black friday". O artigo discute se a expressão é um estrangeirismo ou um empréstimo linguístico.
A expressão é um estrangeirismo ou um empréstimo linguístico?

Se tem um termo que entrou de vez para o vocabulário do brasileiro é black friday. Trata-se de um dia, em geral em novembro, em que vários comerciantes oferecem grandes descontos para atrair mais clientes. Todo ano, milhares de pessoas esperam pela data para irem às compras.

Essa expressão é interessante, porque ela nos permite abordar o tema da incorporação de palavras estrangeiras à Língua Portuguesa, em especial a diferença entre estrangeirismo e empréstimo linguístico. Neste artigo, vamos explicar esses dois conceitos e mostrar em qual deles se encaixa o termo black friday.

Empréstimo linguístico

Quando uma palavra é incorporada a um idioma com alteração na sua grafia, estamos diante de um empréstimo linguístico. Dito de outra forma, são aqueles vocábulos estrangeiros que foram aportuguesados. Vejamos abaixo alguns exemplos:

  • Beef – Bife;
  • Football – Futebol;
  • Picnic – Piquenique;
  • Stress – Estresse;
  • Abat-jour – Abajur.

Uma curiosidade é que alguns termos estrangeiros possuem correspondentes pouco usados no português. Por exemplo, futebol também pode ser chamado de ludopédio e piquenique de convescote.

Por serem estranhos, esses vocábulos não caíram no gosto dos falantes e acabaram esquecidos.

Estrangeirismo

O estrangeirismo é processo de incorporação das palavras ou expressões sem que haja alteração na grafia. Vejamos alguns casos:

  • Hardware;
  • Pen-drive;
  • Design;
  • Check-in;
  • Insight;
  • Drive thru.

Luiz A. Sacconi chama também de estrangeirismo o vício de linguagem que consiste no uso desnecessário de palavras estrangeiras em detrimento de suas correspondentes em português.

Ex: Ele tem muito know-how (em vez de “ele tem muito conhecimento”);

Ex: Esse é uma case de sucesso (em vez de “um caso de sucesso).

Black Friday: estrangeirismo ou empréstimo verbal?

Agora ficou fácil de responder a essa pergunta, não é? Como a expressão está escrita na forma original do inglês, estamos diante de um estrangeirismo. Nesses casos, o termo deve ser grafado entre aspas ou em itálico.

Ex: Estou esperando a black friday para trocar de celular.

Gostou do texto? Então, vale a pena assistir ao vídeo que fizemos sobre se a grafia correta do termo que veio do francês é comandante-chefe ou comandante-em-chefe:

*

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua (link para um nova página do site) .