Hipercorreção, ou ultracorreção, é o nome dado ao processo de corrigir algo que não deveria ser corrigido. Neste artigo, vamos falar mais sobre esse conceito e trazer exemplos. Vejamos!

Fontes da hipercorreção

De acordo com o professor Sírio Possenti, existem duas fontes principais da hipercorreção:

1) A variação linguística, que sempre envolve uma forma considerada correta e outra considerada errada.

Ex: Haviam muitos carros no estacionamento. – O erro aqui ocorre, porque o falante lança mão da regra geral da concordância, que diz que o verbo deve concordar em número com o sujeito da frase. Contudo, o verbo haver quando tem o sentido de existir é impessoal, ou seja, não varia e deve sempre ser usado no singular.

2) A vontade de ser correto ou falar de forma supostamente mais elegante.

Ex: Bandeija, carangueijo, prazeiroso – algumas pessoas para fugir de falares populares, que excluem a letra “i” de algumas palavras (pexe, chero, caxa, etc.), acabam por incluir a vogal em palavras nas quais ela não deveria aparecer, como bandeja, caranguejo e prazeroso.

Note que o erro surge da intenção do falante de falar difícil ou de maneira mais sofisticada.

Como evitar a hipercorreção?

Para não cometer uma hipercorreção, você deve exercitar duas qualidades:

1) Cautela – em caso de dúvidas, sempre recorra a uma fonte de confiança para confirmar qual regra gramatical deve ser seguida.

2) Humildade – busque sempre falar de forma simples e direta, sem preciosismos. A melhor forma de se expressar é aquela que for mais clara para o seu público-alvo.

*

Quer aprofundar seus conhecimentos na língua portuguesa? Então, continue seus estudos com a Gramática On-line do Clube do Português.