Intertextualidade é um conceito que indica a relação entre vários textos. Ela acontece quando um autor usa referências de outras produções textuais. Isso pode ocorrer de forma explícita ou implícita.

Neste artigo, vamos detalhar esse tema e apresentar as categorias e tipos de intertextualidade. Vejamos!

Classificações da intertextualidade

A intertextualidade é dividia em duas categorias: explícita e implícita. Assim, vamos entender melhor as característica de cada um desses grupos.

Intertextualidade explícita

A modalidade explícita é aquela em que fica claro para o leitor a referência que o autor está utilizando em seu texto.

Um exemplo são as citações, que, em geral, são marcadas pelas aspas. Dessa forma, estabelece-se uma relação direta e nítida com o texto-fonte.

As principais característica dessa categoria são:

  • Fácil identificação da intertextualidade por parte do leitor;
  • Não necessidade de conhecimento prévio;
  • Relação direta com o texto original.

Intertextualidade implícita

Em contrapartida, a modalidade implícita é mais sutil. Ela envolve uma referência indireta ao texto-fonte, o que exige do leitor uma bagagem cultural maior para compreender a relação entre os textos.

Um exemplo são as alusões, que aparecem na produção textual de forma apenas sugerida, mas sem explicitação da origem.

As principais característica dessa categoria são:

  • Difícil identificação da intertextualidade por parte do leitor;
  • Necessidade de conhecimento prévio;
  • Relação indireta com o texto original.

10 tipos de intertextualidade

Existem dez tipos principais de intertextualidade. Vejamos abaixo cada um deles:

1) Citação

A citação envolve a transcrição exata do texto, acompanhada da identificação da fonte. De maneira geral, esse tipo de intertextualidade é marcada por aspas no texto e introduzida pelos dois pontos.

A citação é muito utilizada como recurso de autoridade e ajuda a trazer mais credibilidade ao texto.

ex: Segundo Martin Luther King, “a injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar”.

2) Paráfrase

Na paráfrase, também há a referência à fonte. Contudo, diferentemente do que ocorre na citação, aqui o autor utiliza as próprias palavras para reproduzir o que foi dito no texto-fonte.

Dito de outra maneira, a paráfrase reafirma o que foi dito na referência, mas recria o texto mantendo a ideia original. Vejamos um exemplo de paráfrase:

  • Texto original: De grão em grão, a galinha enche o papo.
  • Texto parafraseado: De moeda em moeda, a criança enche o cofrinho.

Perceba que, apesar de usarem termos diferentes, os dois textos fazem menção à mesma ideia, a de que a consistência leva ao resultado desejado.

3) Alusão

A alusão, também chamada de referência, ocorre quando o texto remete a uma determinada obra, personagem ou situação retratada em outros textos.

ex: Essa solução agrada a gregos e troianos.

A frase acima faz uma alusão à Guerra de Tróia.

4) Tradução

A tradução consiste em passar um texto de um idioma para outro. As traduções são consideradas um tipo de intertextualidade, pois, na maioria das vezes, o tradutor não transpõe as ideias do texto original de forma estrita.

Nesse contexto, ele realiza um processo de interpretação e de adaptação do que está no texto-fonte.

5) Bricolagem

A bricolagem consiste na construção de um texto por meio da junção de diversos fragmentos de outros textos.

Nesse processo, o autor pode inovar, mudando o tom das frases e unindo diferentes referências para criar um novo sentido.

6) Epígrafe

A epígrafe é o uso da citação de um texto como forma de introduzir um tema que será discutido. Ela é muito comum em trabalhos acadêmicos e em livros.

Nesse sentido, o autor lança mão do pensamento de outra pessoa para organizar sua própria tese.

7) Paródia

A paródia é um tipo de intertextualidade que se utiliza da crítica para distorcer e reescrever o texto-fonte de uma forma irônica.

O objetivo é satirizar as ideias do texto original, criando muitas vezes um efeito cômico. Vejamos um exemplo de paródia:

  • Texto original:

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

  • Texto parodiado:

Minha terra tem funkeiros
onde canta o MC
tem axé e sertanejo
não sei porque “tô” aqui.

8) Pastiche

O pastiche envolve o uso de estilos de outros autores em uma mesma obra. Diferentemente do que ocorre na paródia, aqui não há o objetivo de satirizar o texto original. A ideia é criar algo novo por meio da imitação indireta de outros escritores.

9) Crossover

O crossover é um tipo de intertextualidade comum no universo cinematográfico. Ele acontece quando um personagem de uma trama aparece em outra.

Um exemplo dessa estratégia é o filme “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”, no qual há um encontro de dois heróis de histórias distintas em um mesmo enredo.

10) Hipertexto

O hipertexto é um tipo de intertextualidade muito comum na internet. Ele envolve uma forma de escrita não linear e não hierarquizada, que permite que o leitor tenha liberdade de escolher vários caminhos.

No meio digital, o hipertexto se manifesta principalmente por meio de links e hiperlinks dentro dos artigos.

*

Gostou do artigo? Então, vale a pena ler também: