Gerúndio-participio-infinitivo

As formas nominais do verbo são: gerúndio, particípio e infinitivo. Elas apresentam algumas características especias:

  1. Não apresentam flexão de modo e tempo;
  2. Podem exercer o papel de substantivo, adjetivo e advérbio.

Neste artigo, vamos detalhar cada uma delas e mostrar quando e como usá-las. Vejamos!

Infinitivo

O infinitivo representa a ação em si, sem conjugação alguma. Ele é o “nome” do verbo. Dependendo do final, pode ser classificado como 1ª, 2ª ou 3ª conjugação.

  • Terminação “AR” – 1ª conjugação (ex: amar);
  • Terminação “ER” – 2ª conjugação (ex: correr);
  • Terminação “IR” – 3ª conjugação (ex: sorrir).

Infinitivo pessoal x Infinitivo impessoal

O infinitivo pode ser pessoal  (flexionado) ou impessoal (não flexionado).  Vamos entender melhor quando usar cada um.

Infinitivo pessoal

Usamos o infinitivo flexionado nas seguintes situações:

1) Quando há sujeito expresso na oração:

  • Se nós não estudarmos, iremos mal na prova.

2) Quando o sujeito é indeterminado:

  • Deixarem as coisas como estão não ajuda ninguém.

3) Quando o sujeito não expresso é indicado pelo flexão verbal:

  • É melhor deixarmos tudo anotado para a equipe da noite.

4) Para dar ênfase a determinada oração:

  • Assim era a rotina daqueles jovens apaixonados: a assistirem séries, a fazerem passeios ao ar livre e a criarem momentos românticos.

Infinitivo impessoal

Já o infinitivo não flexionado deve ser utilizado nas seguintes situações:

1) Quando vem após a preposição “de” e exerce a função de complemento nominal:

  • Eles gostam de caminhar pela manhã.

2) Quando indica uma ordem:

  • Pelotão, marchar!

3) Quando não se refere ao sujeito:

  • É fundamental estudar com antecedência para as provas.

4) Quando faz parte de uma locução verbal:

  • Os candidatos devem registrar a candidatura até o final de junho.

Gerúndio

O gerúndio indica uma ação continuada e possui, em geral, terminação “-ndo”. Essa forma nominal do verbo pode funcionar como advérbio ou adjetivo.

Ademais, segundo o gramático Fernando Pestana, essa forma verbal também é utilizada nas locuções verbais, em tempos compostos e nas orações reduzidas. Vejamos alguns exemplos:

  • Trabalhando com dedicação, alcançaremos nosso objetivo. (oração reduzida)
  • Mariana ia para casa caminhando. (advérbio de modo)
  • Estava correndo quando tropecei naquele tronco. (locução verbal)
  • Tendo terminado todas as tarefas, decidi assistir uma série. (tempo composto)
  • Cuidado com essa água fervendo. (adjetivo)

Quando usar o gerúndio?

De acordo com Pestana, o gerúndio deve ser utilizado, em geral, em duas situações:

1) Para expressar uma ação em curso, uma ação anterior ou posterior ou uma ação simultânea a outra:

  • Jorge está cozinhando agora. (ação em curso)
  • Finalizando a entrega, o motoboy retornou para a empresa. (ação anterior)
  • O ladrão pegou bolsa e fugiu, desaparecendo no meio da multidão. (ação posterior)
  • Os bombeiros subiram as escadas carregando a mangueira. (ação simultânea)

2) Para marcar uma ação durativa, combinado com os verbos auxiliares estar, andar, ir e vir:

  • As coisas estão mudando continuamente. (com o verbo estar, temos a ideia de movimento rigoroso)
  • Andei pensando naquilo que você me falou. (com o verbo andar, temos a ideia de movimento reiterado)
  • O sol já vai raiando no horizonte. (com o verbo ir, temos a ideia de movimento progressivo ou por etapas)
  • Esse tipo de estratégia vem sendo usada pelo mercado. (com o verbo vir, temos a ideia de movimento gradual do passado para o presente ou de um lugar para outro)

Gerúndio como advérbio

Quando o gerúndio funciona como advérbio, ele pode expressar os seguintes valores circunstanciais:

  • Tempo: Entrando em casa, não encontrou ninguém.
  • Concessão: Mesmo saindo cedo de casa, chegou atrasado na empresa.
  • Condição: Querendo, você encontrará uma solução para esse problema.
  • Causa: Tendo acabado o dever de casa, saí para passear.
  • Modo: O pintor fazia seu trabalho cantando.

Gerundismo

O uso desnecessário do gerúndio configura um vício de linguagem chamado gerundismo. Ele ocorre principalmente em construções importadas da língua inglesa, como:

  • Vou estar transferindo sua ligação.
  • Vou estar confirmando seu pedido.
  • O valor vai estar sendo debitado na sua conta ainda hoje.

Para corrigir esse erro, basta substituir o gerúndio pelo infinitivo ou pelo verbo no futuro:

  • Vou transferir sua ligação.
  • Vou confirmar seu pedido.
  • O valor será na sua conta ainda hoje.

Gerúndio simples x Gerúndio composto

Essa forma nominal do verbo pode ser simples ou composta. Vejamos quando utilizar cada uma.

O gerúndio simples representa uma ação contínua, que ainda não foi finalizada:

  • Maria não pode sair hoje, porque está estudando.

Já o gerúndio composto indica uma ação já terminada. Ele é constituído pela combinação de um verbo auxiliar no gerúndio e outro no particípio.

  •  Tendo terminado a tarefa, saiu para se exercitar.

Particípio

O particípio indica uma ação já finalizada. Ele apresenta, normalmente, as terminações “-ado” ou “-ido”. Em muitos casos, assume a função de adjetivo ou de advérbio.

Quando atua como adjetivo ou quando faz parte da voz passiva analítica, pode ter flexão de gênero (masculino x feminino) e de número (singular x plural).

Vejamos alguns exemplos do uso dessa forma verbal:

  • Ele havia concluído o trabalho, quando cheguei.
  • O jogo havia acabado, quando a confusão começou.
  • As crianças esfomeadas entraram correndo na cozinha.

Particípio regular x Particípio irregular

O particípio pode ser regular ou irregular. A forma regular é aquela terminada em  -ado ou -ido.

ex: amado, molhado, reprovado, corrido, partido.

Já a forma irregular é aquela que termina em -to:

ex: feito, escrito, dito, coberto, visto.

Particípio abundante

Vale destacar que existe um grupo de verbos que possui as duas formas de particípio: regular e irregular. Esse fenômeno é conhecido como particípio abundante.

ex: pago x pagado, salvado x salvo, morrido x morto, imprimido x impresso.

Contudo, cada forma deve ser utilizada em um contexto específico.

Usamos a forma regular após os verbos auxiliares ter e haver na voz ativa:

  • Quando percebi, Marta já tinha pagado a conta.
  • Eu havia imprimido o relatório, mas esqueci de trazê-lo para a reunião.

Porém, se a frase estiver na voz passiva e for construída com os auxiliares ser, estar e ficar, devemos utilizar a forma irregular do particípio:

  • Quando percebi, a conta já estava paga.
  • O relatório foi impresso, mas esqueci de trazê-lo para a reunião.

Atenção!

Os verbos a seguir não são abundantes. Por isso, só possuem uma forma de particípio:

  • Trazer – Trazido (jamais “trago”);
  • Chegar – Chegado (jamais “chego”);
  • Abrir – Aberto (jamais “abrido”);
  • Cobrir – Coberto (jamais “cobrido”);
  • Escrever – Escrito (jamais “escrevido”).

Particípio como advérbio

Quando o particípio funciona como advérbio, ele pode expressar os seguintes valores circunstanciais:

  • Tempo: Concluído projeto, fizemos uma reunião de avaliação.
  • Concessão: Acossado por inúmeras dificuldades, seguiu em frente sem esmorecer.
  • Condição: Pressionada pelo diretor, a equipe teve que trabalhar no fim de semana.
  • Causa: Surpreendidos pela chuva, voltamos para casa correndo.

*

Gostou do texto? Então, vale a pena ler estes outros artigos: