As orações coordenadas são aquelas que exercem relação de independência sintática uma da outra, apesar de serem dependentes semanticamente. Em outras palavras, ligam-se pelo sentido ao mesmo tempo em que cada uma possui estrutura sintática completa.

Quando falamos de estrutura sintática completa, quer dizer que cada oração possui, pelo menos, sujeito (ainda que esteja oculto) e predicado. No caso das orações sem sujeito, estas apresentam apenas predicado.

Além disso, por apresentarem dois ou mais verbos, podemos dizer que as orações coordenadas constituem um período composto por coordenação

Existem dois tipos de orações coordenadas: as assindéticas e as sindéticas. Vejamos cada uma a seguir.

Orações coordenadas assindéticas

As orações coordenadas assindéticas são aquelas que não possuem síndeto. O prefixo a- significa “não”, e síndeto vem do grego “sýndetos”, que significa “conjunção” ou “conectivo”, logo “assindética” significa ausência de conjunção.

Exemplo:

Faz muito frio lá fora – leve agasalho!

1ª oração: Faz muito frio lá fora;

2ª oração: leve agasalho!

Perceba que não há nenhuma conjunção ligando essas duas orações, por isso ambas são classificadas como orações coordenadas assindéticas.

Outros exemplos:

Subo por uma velha escada de madeira mal iluminada, chego a uma espécie de salão. (Moacyr Scliar)

Grita, sacode a cabeleira negra, agita os braços, para, olha, ri. (Érico Veríssimo)

Orações coordenadas sindéticas

As orações coordenadas sindéticas são o oposto da anterior, isto é, apresentam conjunção. De acordo com o valor semântico de cada conjunção, as coordenadas sindéticas recebem cinco classificações. Vejamos:

1. Oração Coordenada Sindética Aditiva: exprime ideia de soma, adição.

São conjunções aditivas: e, nem (= e não), nem… nem, tanto… quanto, tanto… como, bem como…

Exemplos:

– Estudou muito e passou no concurso.

– O candidato não só foi aprovado, bem como ganhou uma bolsa.

– A viúva não falava nem se mexia.

2. Oração Coordenada Sindética Adversativa: exprime ideia de adversidade, oposição.

São conjunções adversativas: mas, porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto, não obstante, senão (= mas sim)…

Exemplos:

– Deveria ficar de repouso, mas fui a uma festa.

– A mãe deu o presente; o filho, porém, não parava de chorar.

– Corri muito, no entanto não alcancei o ônibus.

3. Oração Coordenada Sindética Alternativa: exprime ideia de alternância, exclusão.

São conjunções alternativas: ou, ou… ou, ora… ora, quer… quer, seja… seja, umas vezes… outras vezes…

Exemplos:

Ora sorria, ora chorava.

Ou você faz faculdade em tempo integral, ou trabalha.

Seja cozinhando, seja cantando, irei trabalhar!

4. Oração Coordenada Sindética Conclusiva: exprime ideia de conclusão, consequência.

São conjunções conclusivas: logo, portanto, por conseguinte, por isso, assim, pois (= portanto), então…

Exemplos:

– Trabalhei muito: por isso tenho esta casa.

– Você é disciplinado; terá, pois, sua recompensa.

– Ele foi desonesto, por conseguinte foi demitido.

5. Oração Coordenada Sindética Explicativa: exprime ideia de explicação, justificativa.

São conjunções explicativas: que, porque, pois (antes de verbo), porquanto…

Exemplos:

– Seja honesto, que valerá a pena.

– Não quero sair, pois estou passando mal.

– Vamos agilizar, porque o mercado fechará em cinco minutos.

Pontuação

Como foi possível observar no decorrer dos exemplos, as orações coordenadas podem ser separadas por vírgula, ponto e vírgula, dois-pontos ou travessão.