Por Pedro Valadares

Tag: complemento nominal

Complemento nominal – o que é e como identificar?

O complemento nominal é um termo integrante da oração que completa o sentido de certos nomes (substantivo, adjetivo ou advérbio terminado em -mente).

É obrigatoriamente regido por preposição e normalmente tem valor semântico passivo, ou seja, a ação recai sobre ele. Exemplo:

– Temos certeza da vitória.

O complemento nominal é da vitória, pois liga-se ao substantivo certeza, está acompanhado da preposição de e tem valor semântico passivo, pois quem tem a certeza (sujeito agente) é o sujeito oculto nós.

Continue reading

Oração: termos essenciais, integrantes e acessórios

Os termos da oração são palavras ou grupo de palavras que exercem alguma função sintática dentro da oração. São divididos em:

  • Termos essenciais (sujeito e predicado)
  • Termos integrantes (complementos verbais, complemento nominal e agente da passiva)
  • Termos acessórios (adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto)

Termos essenciais da oração

São termos essenciais da oração o sujeito e o predicado.

1. Sujeito

O sujeito é o ser ou fato sobre o qual o predicado faz uma declaração. Também é o responsável pela conjugação do verbo e recebe várias classificações.

a) Sujeito simples: é o que apresenta apenas um núcleo explícito.

– Sua atitude foi brilhante.

b) Sujeito composto: é o que apresenta mais de um núcleo explícito.

Os professores e os alunos reuniram-se no ginásio.

c) Sujeito oculto, elíptico ou desinencial: é o que apresenta um núcleo implícito, mas que pode ser identificado facilmente por meio da desinência do verbo.

– Chegamos atrasados à festa. (sujeito oculto: nós)

d) Sujeito indeterminado: é aquele cujo núcleo é desconhecido e impossível de identificar mesmo o verbo indicando que houve uma ação praticada por alguém. 

– Disseram que você briga muito na escola. (Alguém disse, mas quem?)

e) Sujeito oracional: é aquele que aparece em forma de oração.

– Nota-se que todos gostam de você.

f) Sujeito inexistente (oração sem sujeito): ocorre em orações com verbos impessoais. É o único caso em que este termo essencial não aparece.

– Choveu muito durante o show.

2. Predicado

O predicado é o conjunto de todos os termos da oração, com exceção do sujeito e do vocativo. É tudo o que se declara sobre o sujeito (quando ele existe).

Em 2020, o mundo foi tomado por uma pandemia. (sujeito: o mundo)

Faz muito calor no Rio de Janeiro. (oração sem sujeito – tudo é predicado)

O predicado pode ser classificado em:

a) Predicado nominal: é aquele cujo núcleo da afirmação está contido no nome (substantivo, adjetivo, pronome), não no verbo. É constituído sempre de: verbo de ligação + predicativo do sujeito.

– Nossa casa é lindíssima!

b) Predicado verbal: é aquele cujo núcleo é qualquer verbo que não seja de ligação, ou seja, apresenta verbo nocional.

– Todos nós assistimos ao lançamento da Marvel.

c) Predicado verbo-nominal: é aquele cujos núcleos são um verbo nocional + um nome (esse nome será predicativo do sujeito ou do objeto).

– Os jogadores corriam exaustos.

Termos integrantes da oração

São termos integrantes da oração aqueles que completam o sentido de certos verbos ou nomes, como fazem os complementos verbais (objeto direto e objeto indireto), o complemento nominal e o agente da passiva.

1. Complementos verbais

São complementos do verbo o objeto direto e o objeto indireto.

a) Objeto direto: complementa o sentido de um verbo sem o auxílio de uma preposição.

– A chuva intensa prejudicou a navegação.

b) Objeto indireto: complementa o sentido de um verbo com o auxílio de uma preposição.

– Ele não confia em você.

2. Complemento nominal

O complemento nominal liga-se a um nome, o qual pode ser um substantivo, um adjetivo ou um advérbio de base adjetiva, a fim de complementar o seu sentido. É obrigatoriamente regido de preposição.

– Tenho necessidade de proteção.

3. Agente da passiva

O agente da passiva é o termo que complementa um verbo na voz passiva analítica. É obrigatoriamente regido pelas preposições por ou de.

– Os nadadores foram aplaudidos pelo público.

Termos acessórios da oração

Os termos acessórios da oração desempenham função secundária na oração, sendo dispensáveis à construção de sentido dela. São eles o adjunto adnominal, o adjunto adverbial e o aposto.

1. Adjunto adnominal

O adjunto adnominal é o termo acessório que delimita o sentido de um substantivo, caracterizando-o. É representado pelas seguintes classes gramaticais: artigo, adjetivo, locução adjetiva, pronome adjetivo, numeral adjetivo.

O poeta inovador enviou dois longos trabalhos ao seu amigo de infância.

O (artigo) e inovador (adjetivo) caracterizam o substantivo poeta;

dois (numeral) e longos (adjetivo) caracterizam o substantivo trabalhos;

o (artigo), seu (pronome adjetivo) e de infância (locução adjetiva) caracterizam o substantivo amigo.

2. Adjunto adverbial

O adjunto adverbial é o termo que indica a circunstância expressa pelo verbo. Na prática, todo advérbio e toda locução adverbial exercem função sintática de adjunto adverbial, o qual pode expressar muitas as circunstâncias, sendo as mais comuns as de: tempo, modo, lugar, causa, assunto, meio, instrumento, afirmação, negação, dúvida, intensidade, finalidade, companhia, condição e concessão.

Hoje é feriado. (tempo)

– Todos correram de medo. (causa)

– A esposa trabalha bastante. (intensidade)

3. Aposto

O aposto é um termo de valor substantivo que explica, especifica, amplia ou resume um termo sintático antecedente. Pode ser classificado em:

a) Aposto explicativo: amplia o significado do antecedente. Sempre vem isolado por pontuação.

– Neymar, o maior jogador do Brasil hoje, atualmente joga pelo Paris Saint-Germain.

b) Aposto especificativo: possui o mesmo valor semântico do antecedente e não é isolado por pontuação.

– O escritor Machado de Assis era carioca. 

c) Aposto enumerativo: enumera as partes que constituem o antecedente. Aparece após vírgula, dois-pontos ou travessão.

– Nas férias, visitei três países: Itália, França e Inglaterra.

d) Aposto resumidor: sintetiza o que foi dito anteriormente. Normalmente é um pronome indefinido.

– O sorriso, a voz, a educação, tudo nela encantava.

e) Aposto distributivo: normalmente, retoma dois ou mais termos anteriores.

– Tenho dois investimentos: um em renda fixa, outro em renda variável, 

f) Aposto de oração: refere-se a uma oração inteira.

– O furacão destruiu toda a cidade, fato lamentável.

Vocativo x aposto

Vocativo é usado para evidenciar o ser chamado ou ao qual se apela, isto é, indica a invocação de algo ou alguém. Deve sempre ser isolado por vírgula e pode se deslocar pela oração. Exemplos:

Mãe, pega a tolha pra mim!

– Que paz você me traz, ó mar!

Diferentemente do aposto, o vocativo não pertence à estrutura sintática da oração, ou seja, não se liga ao verbo nem ao nome, tampouco integra o sujeito ou o predicado. Portanto, ele não é considerado um termo da oração, apesar de ser tradicionalmente explicado na seção de termos acessórios da oração em muitas gramáticas.

*

Gostou do artigo? Então, vale a pena ler também:

Volta às aulas x Volta as aulas – tem crase?

O correto é “volta às aulas“, com crase. Neste artigo, vamos explicar por que devemos utilizar o acento grave nesse caso. Vejamos.

Regência do verbo voltar

Quando é utilizado no sentido de regressar ou retornar, voltar é um verbo transitivo indireto. Isso significa que ele demanda o uso da preposição “a”.

Essa transitividade é transferida para o substantivo volta, que é derivado do verbo. Por isso, ele também pede a preposição.

Assim, temos o encontro da preposição “a” com o artigo definido feminino no plural “as”, que acompanha o substantivo “aulas”. Esse encontro caracteriza um caso de crase. Vamos esquematizar esse processo:

Volta a + as aulas (a + as = às). Logo, volta às aulas.

Vale destacar que, nessa construção, o termo “às aulas” é complemento nominal do substantivo abstrato “volta”.

Continue reading

Análise sintática na prática!

Análise sintática na prática

O objetivo deste texto é mostrar o passo a passo de uma análise sintática. Vamos lá!

PERÍODO: As redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

1º PASSO: Identificar o número de orações

Para fazer isso, é necessário encontrar os verbos.

As redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Identificamos dois verbos. Ou melhor, uma locução verbal (poderão fazer) e um verbo (condiciona).

2º PASSO: Analisar cada oração separadamente

Continue reading

© 2021 Clube do Português

Theme by Anders NorenUp ↑