Língua Portuguesa e Literatura

Tag: estrofe

Estrofe – conceito e classificações

Estrofe, também chamada de estança ou estância, é cada um dos conjuntos de versos em que se divide um poema. Os versos, por sua vez, consistem em cada linha desse gênero textual.

Tanto o verso quanto a estrofe são elementos obrigatórios do poema, diferentemente da rima, elemento estético que pode ou não aparecer.

Verso x estrofe

Para compreender bem a distinção entre verso e estrofe, tome como exemplo o poema abaixo, de Mario Quintana. 

Canção de outono

Mario Quintana

(1ª estrofe)

O outono toca realejo

No pátio da minha vida.

Velha canção, sempre a mesma,

Sob a vidraça descida…

(2ª estrofe)

Tristeza? Encanto? Desejo?

Como é possível sabê-lo?

Um gozo incerto e dorido

De carícia a contrapelo…

(3ª estrofe)

Partir, ó alma, que dizes?

Colher as horas, em suma…

Mas os caminhos do Outono

Vão dar em parte nenhuma!

Acompanhe a análise:

– Cada linha desse texto é um verso, portanto o poema apresenta ao todo 12 versos;

– Agora, perceba como o texto está dividido em três partes iguais. São essas partes que chamamos de estrofe, logo o poema apresenta 3 estrofes ao todo;

– Como cada estrofe contém 4 versos, elas são classificadas como quartetos ou quadras

Conheça todas as classificações das estrofes a seguir.

Classificação das estrofes

As estrofes podem apresentar dois tipos de classificações: classificação de acordo com a medida do verso e classificação de acordo com o número de versos agrupados em cada estrofe. Veja:

  1. Classificação de acordo com a medida do verso:
  1. Estrofes simples: quando o poema é composto de versos que possuem a mesma medida (monossílabo, dissílabo, trissílabo, tetrassílabo etc.). 
  2. Estrofes compostas: quando o poema agrupa versos de medidas diferentes.
  3. Estrofes livres: quando o poema agrupa versos sem nenhum rigor métrico.
  1. Classificação de acordo com o número de versos em cada estrofe:

O número de versos agrupados em cada estrofe de um poema pode variar. Dessa forma, temos a seguinte classificação das estrofes quanto ao número de versos:

1 verso: monóstico;

2 versos: dístico ou parelha;

3 versos: terceto ou trístico;

4 versos: quarteto ou quadra;

5 versos: quintilha, quinteto ou pentástico;

6 versos: sexteto, sextilha ou hexástico;

7 versos: sétima, septilha, septena, hepteto ou heptástico;

8 versos: oitava ou octástico;

9 versos: nona;

10 versos: décima ou década;

Mais de 10 versos: estrofe irregular ou bárbara.

O soneto italiano

Uma das estruturas mais famosas de poema é a do soneto italiano, um tipo de poema de forma fixa.

A estrutura do soneto italiano é constituída por catorze versos, sendo que eles se dividem em quatro estrofes, das quais duas delas são quartetos e duas são tercetos. Observe o exemplo:

Amar!

Florbela Espanca

Eu quero amar, amar perdidamente!

Amar só por amar: Aqui… além…

Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente

Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!…

Prender ou desprender? É mal? É bem?

Quem disser que se pode amar alguém

Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:

É preciso cantá-la assim florida, 

Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar! 

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada 

Que seja a minha noite uma alvorada, 

Que me saiba perder… pra me encontrar… 

Análise:

O soneto de Florbela Espanca apresenta:

14 versos;

4 estrofes: sendo dois quartetos (as duas primeiras estrofes) e dois tercetos (as duas últimas estrofes); 

estrofes simples: todos os versos são decassílabos, ou seja, apresentam 10 sílabas métricas cada um.

*

Gostou do artigo? Então, continue seus estudos com o nosso Guia da Literatura.

Verso, estrofe, rima – qual a diferença?

Na literatura, verso, estrofe e rima são elementos de ordem estética que compõem a estrutura de um poema. Por causa deles, conseguimos facilmente diferenciar os poemas dos textos em prosa, que apresentam parágrafos.

O que é verso?

Verso é cada linha ritmada de um poema, podendo apresentar uma ou mais palavras. Como exemplo, veja abaixo a contagem de versos de um poema de Carlos Drummond de Andrade:

Construção

1. Um grito pula no ar como foguete.

2. Vem da paisagem de barro úmido, caliça e andaimes hirtos.

3. O sol cai sobre as coisas em placa fervendo.

4. O sorveteiro corta a rua.

5. E o vento brinca nos bigodes do construtor.

Como temos cinco linhas nesse poema, logo temos cinco versos.

Continue reading