Língua Portuguesa e Literatura

Tag: pontuação

Vírgula com “e” – quando utilizar?

A maioria das pessoas se questionam sobre o emprego correto da vírgula em algumas situações, e uma delas é a vírgula com “e”. 

Se você também não tem certeza do uso correto dela, acompanhe até o fim, a explicação neste artigo.

Quando utilizar a vírgula com “e”

Podemos utilizar a vírgula com “e” em diversos contextos. Confira abaixo os quatro casos em que devemos utilizar o sinal de pontuação antes da conjunção.

1) Sujeitos diferentes

Emprega-se a vírgula antes de “e” quando a oração é composta por sujeitos diferentes. Atente-se aos exemplos abaixo:

  • Maria comprou uma cômoda, e Joana comprou um sofá.
  • Manuela gosta de suco, e sua irmã não gostava de refrigerante.
  • Alberto foi ao mercado, e seu pai foi ao cabeleireiro. 

Nos exemplos acima, vemos dois sujeitos diferentes, junto a conjunção “e”, temos então uma conjunção aditiva, porém, se o sujeito for o mesmo, não há o emprego da vírgula. Observe:

  • Maria comprou uma cômoda e um sofá;
  • Manuela gosta de suco e não de refrigerante;
  • Alberto foi ao mercado e ao cabeleireiro. 

Nestes casos, não se usa a vírgula com “e”.

2) “E” com valor de “mas”

Outro exemplo acontece sempre que o “e” indica objeção ou discordância. Destaca-se:

  • Juliana estava exausta, e continuou estudando;
  • Matheus não amava mais Maria, e seguia com o namoro;
  • Samantha sempre chegava atrasada, e não perdia o emprego.

Percebe-se, nos exemplos acima, que a conjunção “e” nas frases têm sentido de oposição, podendo ser substituída pelas conjunções: mas, todavia, contudo, entretanto, etc.

3) Polissíndeto

A utilização da vírgula com “e” também ocorre quando ocorre repetição da conjunção, configurando uma figura de linguagem chamada polissíndeto . Veja abaixo:

  • Naquela manhã, Michele lavou e secou, e organizou, e guardou, toda a louça.
  • Todas as tardes, Tadeu almoçava e varria a casa, e lavava o carro, e fazia compras.
  • Durante a noite, Michael jantava e ouvia música, e assistia à televisão, e mexia no celular.

4) Intercalações

Outro exemplo de vírgula antes do “e” é a informação intercalada dentro de uma mesma frase.

  • “Dom Casmurro, de Machado de Assis, e “Cinco minutos”, de José de Alencar, são clássicos da literatura brasileira.
  • “Sozinho”, de Caetano Veloso, e “Malandragem”, de Cássia Eller, foram as músicas mais tocadas nos anos 90.
  • “Morena flor”, da Avon, e “Biografia”, da Natura, são os perfumes mais vendidos nos catálogos. 

Nota-se que, sempre que houver uma quebra na estrutura da frase, é necessário o uso da vírgula. 

*

Quer aprofundar seus conhecimentos na língua portuguesa? Então, continue seus estudos com o Guia Completo da Vírgula!

Tanto quanto – tem vírgula?

Tanto quanto é uma conjunção subordinativa adverbial comparativa que exprime, como o próprio nome indica, comparação — ou coordenação, entre dois elementos.

O uso desse termo em textos costuma gerar dúvidas com relação ao uso de pontuação. Afinal, tanto quanto tem vírgula? A resposta é NÃO

Não se aplica vírgula entre os sintagmas da conjunção. Portanto, a forma correta de usar a expressão é sem o sinal de pontuação. Neste artigo, vamos explicar melhor essa regra. Vejamos!

Exemplo de uso correto

  • Tanto eu quanto você somos capazes de tirar uma boa nota na prova;
  • Maria gosta tanto de azul quanto de vermelho;
  • Tanto Direito quanto História são cursos de ciências humanas.
  • Não tenho preferência. Gosto tanto de chocolate quanto de doce de leite.
Continue reading

Vírgula com “ou” – quando utilizar?

Quando utilizar a vírgula com “ou”? Neste artigo, listamos todos os casos em que devemos utilizar esse sinal de pontuação com esse termo.

No entanto, não existe uma regra taxativa que estabeleça obrigatoriedade no uso da vírgula antes da conjunção alternativa “ou”.

Predominantemente, a vírgula com “ou” não deve ser utilizada. Em contrapartida, em determinadas situações, o uso é permitido e até mesmo recomendado. 

Quando usar vírgula com “ou”?

Confira abaixo situações em que vírgula pode ser usada antes de “ou”:

1) Quando a conjunção alternativa “ou” é utilizada em enumerações enfáticas

  • Então, qual prato você prefere? Devo fazer risoto, ou estrogonofe, ou fricassê, ou moqueca, ou lasanha, ou o quê?
  • Seja quem for: você, ou meu pai, ou meu professor, ou o Presidente da República, ou o Papa. Ninguém vai mudar minha opinião!

Vale destacar que, nas frases acima, temos uma figura de linguagem chama polissíndeto, que consiste em repetir o conector várias vezes (no caso, a conjunção “ou”).

2) Quando a conjunção alternativa “ou” conecta orações mais extensas

  • Não gosto de fazer exercícios físicos. Ou porque nunca tive o hábito, ou porque estou sedentário e me canso com facilidade.
  • Você tem duas alternativas: ou tentar superar e seguir em frente, ou se entregar para dor e deixar seus objetivos de lado.

3) Quando a conjunção alternativa “ou” sinaliza uma pausa antes de uma retificação ser introduzida

  • Corra agora mesmo, ou depois será tarde demais!
  • Mude sua atitude imediatamente, ou não conte mais comigo para nada.
Continue reading

Asterisco – quando usar?

O asterisco (*) é um sinal gráfico da língua portuguesa que gera muitas dúvidas sobre seu uso. Afinal, qual é sua função e quando ele deve ser utilizado? Confira abaixo as respostas dessas perguntas.

O que é o asterisco?

A palavra “asterisco” vem do latim “asteriscum”, que significa “estrelinha”. Sim, estrelinha, no diminutivo.

Curiosamente, muita gente utiliza essa expressão para se referir ao sinal sem saber que se trata da etimologia do termo.

Seu formato de estrelinha pode variar entre cinco e seis pontas e, além de ser utilizado no âmbito da língua portuguesa, o asterisco também é um caractere curinga na informática.

Continue reading

Colchetes – quando e como utilizar?

Os colchetes, também chamados de parênteses retos, são símbolos gráficos utilizados na língua portuguesa, na matemática, na química e na informática.

Na língua portuguesa, os colchetes são considerados sinal de pontuação e estão intimamente ligados aos parênteses pela sua função discursiva. Isto é, em muitos casos é possível utilizar tanto um quanto outro. Contudo, os parênteses são mais utilizados no dia a dia, sendo os colchetes encontrados mais facilmente em textos técnicos, didáticos e científicos.

Quando utilizar os colchetes?

Os colchetes podem ser utilizados para:

1. introduzir uma observação em construções já isoladas por parênteses:

– Existem dois tipos de regência: a nominal (quando um nome exige uma preposição) e a verbal (quando um verbo exige uma preposição [essa é a mais cobrada em concursos]).

Continue reading

Dois-pontos (:) quando usar esse sinal de pontuação?

Os dois-pontos são um sinal de pontuação que marca, na escrita, uma pausa moderada na leitura de uma frase ainda não concluída.

Esse sinal tem como finalidade enfatizar a informação que virá logo em seguida, a qual costuma expressar uma causa, uma consequência, uma análise, uma síntese, uma exemplificação.

Quando utilizar os dois-pontos?

Na prática, esta pontuação é utilizada nos seguintes casos:

1) Introduzir uma citação:

– Uma das frases mais famosas de “O Pequeno Príncipe” é: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

– Já dizia Walt Disney: “Se podemos sonhar, também podemos tornar nossos sonhos realidade”.

Continue reading

Reticências – 7 formas de usá-las

Reticências é um tipo de pontuação representada graficamente por uma sequência de três pontos (…). De modo geral, marcam a interrupção de um enunciado.

Neste artigo, vamos mostrar 7 situações em que esse sinal de pontuação pode ser utilizado. Vejamos!

1. Indicar uma interrupção de pensamento ou de fala

“— A instrução é indispensável, a instrução é uma chave, a senhora não concorda, dona Madalena?

— Quem se habitua aos livros…

— É não habituar-se, interrompi.”

(Graciliano Ramos)

“— Moro na rua…

— Não quero saber onde mora, atalhou Quincas Borba”

(Machado de Assis)

Continue reading

Ponto de interrogação – 4 formas de usar

O ponto de interrogação é um sinal utilizado, em geral, para indicar perguntas diretas (ex: você foi à festa ontem?). Além dessa função mais conhecida, há outras quatro. É disso que falaremos neste artigo. Vejamos!

1) Indicar incerteza

Nesse caso, a pontuação de interrogação vem entre parênteses. A ideia é expressar dúvida sobre o que está sendo dito.

Ex: eu usei o termo estacionário (?), mas penso que poderia usar uma palavra melhor naquele contexto.

Continue reading