Tanto “ter de” quanto “ter que” estão corretos e de acordo com a norma culta. Neste artigo, vamos analisar essas duas construções. Vejamos!

Ter de

Para a maior parte dos estudiosos da língua portuguesa, o uso da expressão “ter de” não é obrigatório, mas é recomendável. Trata-se da forma mais clássica, que exprime a ideia de obrigação ou necessidade. Vejamos alguns exemplos:

  • Eu tenho de terminar essa tarefa até às 18h, porque meu chefe está esperando.
  • Vocês têm de organizar a casa antes de os convidados chegarem.
  • Paulo tem de ir ao médico amanhã de tarde.

Vale destacar que, em contextos mais formais, o ideal é utilizar “ter de”.

Ter que

Já “ter que” é a forma mais moderna. Neste caso, o “que” desempenha a função de preposição acidental. Vamos conferir alguns casos:

  • Eu tenho que terminar essa tarefa até às 18h, porque meu chefe está esperando.
  • Vocês têm que organizar a casa antes de os convidados chegarem.
  • Paulo tem que ir ao médico amanhã de tarde.

É importante ressaltar que “ter que” deve ser utilizado em contextos mais informais.

Existe outra situação em que a construção “ter que” é utilizada. Isso ocorre quando o termo “que” funciona como pronome relativo.

  • Nós tínhamos muito que fazer.
  • Nada mais tenho que falar.

*

Quer aprofundar seus conhecimentos na língua portuguesa? Então, continue seus estudos com a Gramática on-line do Clube do Português.