O uso da vírgula é fundamental para a compreensão de um texto, entretanto, ainda existem muitas dúvidas acerca do emprego correto desse sinal gráfico. E hoje vamos tratar de uma questão recorrente: quando usar vírgula com conjunções? Neste artigo, vamos explicar todos os casos. Vejamos!

Quando usar vírgula com conjunções?

Vírgulas inseridas corretamente garantem a interpretação precisa de um texto e, quando acompanhadas por conjunções, é preciso atentar-se às regras.

1) Conjunções adversativas

Antes das conjunções adversativas (mas, contudo, porém, entretanto, etc.), devemos sempre utilizar a vírgula:

  • Sei que vocês estão brigados, mas tentem manter a calma.
  • Saímos bem cedo de casa, porém chegamos atrasados.
  • Eles foram bem educados, contudo percebemos a irritação.
  • Ela tinha acabado de sair, entretanto deixou as luzes acesas.

2) Conjunção explicativa

Também devemos utilizar a vírgula antes das conjunções explicativas (que, porque, pois, visto que, etc.). Vejamos alguns exemplos:

  • Não veremos a Juliana hoje, pois ela foi embora.
  • A menina saiu mais cedo, porque tinha um compromisso.
  • Ele será condenado, visto que as provas estão contra ele.

3) Conjunção conclusiva

Vale destacar que a conjunção “pois” nem sempre é explicativa. Ela também pode ser conclusiva. Neste caso, ela virá entre vírgulas e sempre após o verbo:

  • Juliana já foi embora. Não a veremos, pois, aqui na festa.
  • A menina tinha um compromisso. Saiu, pois, mais cedo da aula.
  • As provas estão contra o réu. Ele dever ser, pois, condenado pelo juiz.

4) Conjunção aditiva

O uso da vírgula também pode ocorrer com conjunção aditiva “e”, quando estivermos diante de duas orações com sujeitos distintos:

  • Julia foi ao shopping, e João ao parque;
  • Maria foi trabalhar, e Lucas estudar;
  • Fernanda ganhou, e Leonardo perdeu;
  • Otávio ficou furioso, e Luana não se importou.

O uso da vírgula com a conjunção “e” também é necessário quando há repetições enfáticas, situação em que ocorre uma figura de linguagem chamada polissíndeto. Confira abaixo:

  • Eles conversaram, e discutiram, e resolveram a questão;
  • Ela acordou, e tomou café, e saiu para trabalhar.
  • Ele foi ao parque, e ao shopping, e voltou para a casa. 

Nas frases acima a inserção da vírgula, pois faz a separação entre os elementos dentro de uma mesma oração.

Outro caso comum, é o emprego da vírgula quando a conjunção “e” apresenta valor adversativo. Veja a seguir:

  • Já passa das vinte e duas horas, e (porém) ela ainda não apareceu.
  • Ela ficou muito brava, e (mas) não demonstrou.
  • Eu fiquei bem triste e (porém) não falei nada.

Nos exemplos acima, a conjunção “e” pode ser substituída por “porém” ou “mas”, sendo assim admite-se o uso da vírgula.

Conjunção

Conjunção é uma palavra ou expressão responsável por ligar orações ou termos semelhantes da mesma oração.

Esta classe gramatical é invariável, ou seja, não flexiona em gênero, número e grau, e também não desempenha função sintática. Do ponto de vista semântico, com exceção das conjunções integrantes, cada conjunção traz embutida um sentido, em alguns casos, até mais de um. 

*

Quer aprofundar seus conhecimentos na língua portuguesa? Então, continue seus estudos com o Guia Completo da Vírgula!