Cloroquina: essa palavra ganhou muito destaque por causa da crise gerada pela Covid-19. Neste artigo, você vai conhecer a origem e os usos do termo e o processo de formação do vocábulo. Vamos lá!

Etimologia

A foto mostra a planta chamada quina ou quinina, que deu origem à cloroquina.
Quina ou Quinina (foto do site “Tua Saúde”)

O termo nasceu da junção do prefixo cloro, que designa algo que é verde ou – mais modernamente – algo que contém cloro, com o substantivo feminino quina ou quinina, que é o nome de uma planta usada originalmente pelos indígenas para curar suas dores e febres.

Então, estamos diante de um substantivo feminino derivado, formado por derivação prefixal: cloro + quina.

Vale destacar ainda que o prefixo cloro vem do grego khlōris. Ele indica, como dito antes, algo esverdeado. É usado, por exemplo, no vocábulo clorofila.

O prefixo é utilizado também na química para indicar a presença de cloro em algum composto ou substância (ex: clorofórmio).

Remédio

A palavra denomina um medicamento que é utilizado principalmente para tratar malária em determinadas regiões.

A cloroquina é usada também no tratamento de amebíase extraintestinal, artrite reumatoide e lúpus eritematoso.

A droga ganhou notoriedade quando passou a ser utilizada, de forma experimental, no combate ao coronavírus.

Hidroxicloroquina

Outro termo que vem ganhando popularidade é hidroxicloroquina. Nesse caso, o prefixo hidroxi indica o grupo OH, do álcool, que é parte do composto da droga. Confira abaixo.

Imagem da composição da hidroxicloroquina.

Cloroquina x Hidroxicloroquina

Os dois vocábulos indicam remédios distintos, mas que possuem a mesma base – a cloroquina. Apesar das medicações terem benefícios clínicos similares, os efeitos adversos da hidroxicloroquina são menores.

Gostou do texto? Então, vale a pena conferir o artigo que fizemos sobre a origem da palavra lockdown.